Rafael Ribeiro|CBF
Rafael Ribeiro|CBF

Del Nero volta à CBF e participa de reunião que garantiu a permanência de Dunga na seleção

Licenciado do cargo de presidente, cartola conversou com coronel Nunes e Fernando Sarney, um dos vice-presidentes da entidade

Marcio Dolzan, O Estado de S. P-aulo

05 de abril de 2016 | 15h59

Mesmo licenciado do cargo de presidente da CBF, Marco Polo Del Nero esteve na sede da entidade nesta terça-feira, dia em que a cúpula da entidade e a comissão técnica da seleção se reuniram para discutir os rumos da equipe nacional. Del Nero participou das discussões ao lado do presidente em exercício, coronel Antônio Carlos Nunes, e de Fernando Sarney, um dos vice-presidentes da entidade. E o cartola avalizou a permanência de Dunga à frente da seleção principal e olímpica.

Del Nero está licenciado desde o início de dezembro - ele retomou o cargo por três dias em janeiro apenas para nomear o coronel Nunes na presidência, no lugar do então interino Marcus Vicente. Advogados que militam na Justiça desportiva ouvidos pelo Estado afirmaram que, por estar licenciado do cargo, Marco Polo Del só pode participar de reuniões na entidade "sem deliberar e desde que sejam públicas". O encontro desta terça, como de costume, foi a portas fechadas.

A assessoria de imprensa da CBF disse "não saber" se Del Nero esteve na entidade nesta terça-feira, mas o capitão do Tri, Carlos Alberto Torres, afirmou tê-lo visto durante almoço movimentado no restaurante instalado no terceiro andar da sede, localizada em suntuoso prédio na Barra da Tijuca. "Tinha umas 30 pessoas no almoço, e ele (Del Nero) só falou de amenidades", disse o ex-jogador, que esteve na CBF por fazer parte do Comitê de Reformas - a reunião que ele participaria, sobre mudança no calendário do futebol, ficou para quarta-feira.

COBRANÇAS

O trabalho do técnico Dunga à frente da seleção brasileira foi cobrado na reunião desta terça-feira. Ele vem sofrendo pressão dentro da própria entidade e corria o risco de ser afastado do comando da seleção olímpica. 

Apesar disso, o coordenador de seleções, Gilmar Rinaldi, negou qualquer cobrança. No fim da tarde, ele apareceu no saguão da CBF para um breve discurso. "Não tenho muito o que falar", afirmou, para depois dizer que não iria responder a nenhuma pergunta.

Segundo Rinaldi, a reunião desta terça serviu para tratar da programação da seleção brasileira para a Copa América do Centenário e para os Jogos Olímpicos. "Fui almoçar com o presidente Nunes, como sempre, para passar um relatório. Normal", declarou.

Questionado sobre a permanência dele e de Dunga à frente da seleção, o coordenador relutou em responder. "É uma surpresa que estejam me fazendo essa pergunta. Minha função aqui era de tratar da programação", insistiu. E garantiu Dunga à frente da seleção olímpica. "Isso está definido há um ano e meio." 

Na noite de segunda-feira, Rogério Micale foi confirmado por Gilmar Rinaldi como "auxiliar técnico" na Olimpíada. Ele vem comandando a equipe desde a saída de Alexandre Gallo, no ano passado. Andrey Lopes, o Cebola, e Marquinhos, preparador físico do Figueirense, também estarão no banco com Dunga durante o Rio-2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.