Demitida, Georgette teme pela ginástica

Demitida do Flamengo após 20 anos no clube, a técnica de ginástica olímpica Georgette Vidor teme pelo futuro de jovens atletas que sonham em seguir o exemplo de Luísa Parente e Daniele Hypólito, duas referências nacionais de ginástica criadas na sede daGávea. Em entrevista concedida nesta segunda-feira, dia de seu aniversário, Georgette não escondeu a mágoa pela forma como foi afastada do Flamengo e atribuiu parte de sua saída a desavenças recentes com Daniele Hypólito. Em solidariedade à teçnica, outros dois treinadores de ginástica olímpica, Roger e Alexandre, estão deixando o clube. ?Há um clima de desorientação total de várias meninas do Flamengo com um potencial incrível para despontar como futuras medalhistas. Não sei o que pode ocorrer daqui para a frente?, disse Georgette. Ela dava ênfase ao trabalho com 12 atletas com boas chances de subir ao pódio no Pan-Americano de 2007 e nas Olimpíadas de 2008 e 2012. Agora, com a crise na ginástica olímpica do Rubro-Negro, algumas meninas ameaçam até abandonar o esporte. ?Eu temo pelo futuro da ginástica olímpica no Brasil. Faltam respeito, estrutura e vontade política. Tenho medo que as crianças resolvam parar.? Georgette disse que sua relação pouco amistosa com o presidente do Flamengo, Marcio Braga, teve peso direto em sua demissão. ?Não o apoiei em nenhuma das últimas três eleições em que foi candidato. Isso criou dificuldades.? Divergências com a Confederação Brasileira deGinástica (CBG) e com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) também afetaram sua situação no clube. Com a confederação, Georgette entrou em choque por não concordar com a determinação da entidade de levar para Curitiba as principais atletas do País. ?Há crianças que não têm estrutura psicológica para viver longe dos pais, da família.? De acordo com a treinadora, a alegação não-oficial do clube para sua demissão é a de que sua postura crítica com a CBG e o COB impedia a ajuda para a reaparelhagem da ginástica olímpica do Rubro-Negro. ?Espero uma alternativa.? Ao todo, ela supervisionava 48 atletas nos ginásios da Gávea, 12 das quais consideradas de ?elite?,como Bárbara, Thamires, Jade e Thais, quatro campeãs brasileiras de 2003 e promessas para as próximas competições internacionais. ?A Jade, por exemplo, ganhou seis medalhas de ouro no Pan-Americano de Clubes de 2003. Elas são atletas de ponta. Como vão ficar agora?? Georgette revelou que recebeu com atraso o salário no Flamengo nos últimos cinco anos e que não se queixava mais disso. Ela não quis dar muitos detalhes de sua recente ruptura com Daniele, com quem trabalhou por nove anos.Contou apenas que a atleta se rebelou num treino na Gávea, o que gerou uma discussão ríspida em abril. ?Eu pedi que a Daniele fizesse uma série de paralelos sobre um monte maior de colchões. Ela se negou a fazer. Então eu disse que ele podia sair do ginásio. Não quis me obedecer.? A partir do episódio, não reataram relações. ?Depois, eu soube que a mãe e a empresária da atleta tentaram levar meu auxiliar, Roger, para acompanhá-la em Curitiba. Chegaram a conversar com o Marcio Braga sobre o assunto. Fui contrária e isso aumentou o meu desgaste com a Daniele e com a diretoria do clube.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.