Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Democracia é um estorvo

Uma regra preciosa do Jornalismo e da Psicanálise ensina que é fundamental deixar a pessoa falar, falar, falar. Pois assim, numa entrevista ou numa sessão de terapia, ela expõe o pensamento, abre o coração, desnuda a alma (para ficar em lugares-comuns ainda em uso). Enfim, revela-se. Mais peso têm as palavras se a personagem for pública.

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2013 | 02h06

Aí está Jerôme Valcke para comprovar a premissa. O francês ocupa cargo relevante na Fifa - como secretário-geral, está abaixo só do presidente, Joseph Blatter. Portanto, suas atitudes, decisões e declarações contam e repercutem. Por não se tratar de barnabé de quinto escalão, um pronunciamento dele soa oficial.

E não é que Valcke solta outra pérola, desta vez com teor polêmico superior à da famosa frase "O Brasil tem de tomar um pé no traseiro" (no que se referia a obras para 2014)? O dirigente explicou, em simpósio na Suíça, que preparar Mundial em país com várias esferas de governo (federal, estadual e municipal) é mais complicado do que em nações com poder centralizado.

"Vou dizer algo que é maluco", sublinhou Valcke. "Mas menos democracia, às vezes, é melhor para organizar uma Copa", reforçou. "Quando se tem um chefe de estado forte, que pode decidir, como Putin, em 2018, fica mais fácil para nós." Outra indireta pra cá?

A manifestação de Valcke espalhou-se num instante, provocou barulho e saia-justa, a ponto de fazê-lo voltar atrás de novo. Em nota publicada ontem, explicou que foi mal interpretado, que jamais abdicou de postura democrática, etc, etc. Quem sabe, assim como no episódio da gafe com o Brasil, a culpa vá para os tradutores traidores?

O estrago está feito, o lapso expôs outro tanto das convicções do alto executivo e permite conjeturar que tema tão delicado tenha sido debatido anteriormente a portas fechadas. Não é elucubração sem sentido imaginar beneplácito da Fifa com regimes autoritários. Ela se escuda em neutralidade política para historicamente ignorar situações de exceção, desde que não interfiram em seus interesses financeiros.

A dona da bola aceitou uma Copa na Itália fascista em 1934, ignorou a anexação da Áustria pela Alemanha de Hitler (os jogadores austríacos tiveram de defender as cores nazistas no Mundial de 1938, na França) e fechou os olhos para as torturas e os desaparecimentos de presos políticos na Argentina do general Rafael Videla em 1978. Fora as inúmeras competições de seleções de base que patrocinou em localidades com liberdade democrática sufocada.

Evidente que se apresenta tarefa amena tratar com políticos que sejam "donos" de uma nação. Isso implica menos gente para dar palpites, menos choques de interesses, como o próprio Valcke admitiu no depoimento agora desmentido. Necessidade menor de prestar esclarecimentos à sociedade. Mas sempre com fair-play no jogo, claro...

A Fifa aprecia reinar soberana onde desembarca com a trupe, com a família. Suas determinações e exigências soam implacáveis e indiscutíveis. Basta ver como pede isenções amplas, como impõe condições, como lucra com voracidade. Ela manda e pronto. Fica à vontade para determinar que o Mané Garrincha, em Brasília, será chamado de Estádio Nacional na Copa das Confederação e no Mundial, embora oficialmente não "vete" o nome popular. Sente-se forte para proibir, se quiser, a venda de acarajé nos arredores da Fonte Nova (ou Arena, sei lá).

Democracia, de fato, é um estorvo.

Casca de banana. A CBF arruma jogos mequetrefes para a seleção que se tornam cascas de banana: provocam falsa ilusão positiva (como em goleadas contra Iraque e China) ou desencadeiam onda pessimista. Como no empate por 2 a 2 com o Chile. A partida de anteontem, em BH, serviu para acordos com patrocinadores, mostrou grupo de jogadores destreinados, que não formaram time, e espetáculo fraco. Com vaias e desgaste para atletas e para a comissão técnica. Perda de tempo e energia.

Tudo o que sabemos sobre:
Antero Greco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.