Dentinho evita fiasco corintiano

Na única chance que teve, atacante marca o gol do triunfo por 1 a 0 sobre o lanterna Rio Claro

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

24 de março de 2008 | 00h00

Mano Menezes pediu que os jogadores do Corinthians colocassem o pé na forma ontem. Queria ver muitas finalizações diante do lanterna Rio Claro, no Morumbi. Sabe da importância de se ter um bom saldo de gols na luta pela vaga nas semifinais do Paulista. E com a escalação de dois meias: Héverton e Marcel e com Acosta na frente, apostava em um grande desempenho. Tem de erguer as mãos aos céus pelo fato de Dentinho aproveitar sua única chance de gol e garantir o magro 1 a 0.O treinador também precisa agradecer pela falta de mira dos rivais, principalmente do atacante Luciano. De frente para Felipe, perdeu gol incrível.Quem o viu na beirada do campo ontem, inquieto, gesticulando desesperadamente pelo fim do jogo, pode imaginar o quanto sua equipe deixou de fazer. ''Pô, vai dar quanto tempo de acréscimo?'', cobrava, com o relógio marcando quase 53 minutos da fase final. Esqueceu-se da parada técnica, para descanso e reidratação dos jogadores.Sofrida, sem méritos, mas de vital importância, avalia o corintiano otimista. Com o triunfo, são 30 pontos alcançados e a quarta colocação mantida. Ganhando mais duas, alguns já acreditam ser possível obter a classificação.Já o pessimista prefere que o time não obtenha a vaga. Temem por um vexame grande diante de rivais tradicionais, como Palmeiras e São Paulo. Esquecem da força da equipe, no poder de superação, nos duelos em fases decisivas.E mesmo repetindo o que vem fazendo em 2008. Das 10 vitórias no ano, quatro foram por 1 a 0 (Portuguesa, Ponte Preta, Rio Preto e Rio Claro). Além de outros 2 a 1. Encanto, só nos 3 a 0 sobre o Guarani, na estréia, e diante do frágil Barras-PI (6 a 0 pela primeira fase da Copa do Brasil).Quarta-feira o adversário será o Santos, na Vila Belmiro. Uma pedreira. De bom, o fato de Mano Menezes ter dois dias para armar a equipe. E com opções. Ele só não terá Rincón à disposição. Resta saber se insistirá com Marcel. Comparado por Estevam Soares a Leivinha, em sua chegada no arqui-rival Palmeiras, ontem o meia jogou os 90 minutos. Ou melhor, ficou em campo, num novo show de ruindade.Héverton desta vez também pouco apareceu. Saiu no intervalo. Ver a torcida gritando ''Lulinha, Lulinha'', mostra que nem os torcedores sabem qual o melhor armador para o time. Unanimidade mesmo, só Dentinho. Ontem, teve só uma chance e garantiu uma Páscoa feliz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.