Derrota histórica de um mito

A russa Yelena Isinbayeva, dona de 26 recordes no salto com vara, cai em Berlim; polonesa fica com o ouro

, O Estadao de S.Paulo

18 de agosto de 2009 | 00h00

Jamais uma mulher voou tão alto no salto com vara como Yelena Isinbayeva. Bicampeã olímpica e 26 vezes recordista mundial, a russa ainda desconhece seu próprio limite. Sempre diz que pode mais. Ninguém duvida. Ontem, contudo, a atleta nascida há 27 anos em Volgogrado falhou. E, pela primeira vez desde que iniciou a brilhante carreira no cenário internacional, chorou uma derrota diante do incrédulo público nas arquibancadas do Estádio Olímpico de Berlim. "Não tenho explicação válida para o que ocorreu hoje (ontem)", disse ela, que terminou em 8º lugar a prova do salto com vara no Mundial. Veja mais imagens do Mundial e o calendário completo das provasA mesma incredulidade dos espectadores ante o fracasso da maior atleta de todos os tempos na modalidade refletiu-se nas palavras da nova campeã mundial da prova, a polonesa Anna Rogowska. "Se alguém me dissesse, antes da prova, que eu seria campeã, daria risada", declarou. "Todo mundo ficou surpreso quando Isinbayeva derrubou o sarrafo", prosseguiu. "Eu ainda não acredito que ganhei. Talvez amanhã eu me dê conta do que aconteceu."Até ontem o resultado mais expressivo da atleta polonesa de 28 anos havia sido a medalha de bronze na Olimpíada de Atenas, em 2004. Anna, agora, poderia se sentir a maioral. Mas demonstrou ter plena consciência de que algo imponderável ocorreu ontem. "Meu objetivo era ultrapassar cada altura na primeira tentativa. Foi o que fiz", disse Anna. "Honestamente, me sinto mal por Isinbayeva. Ela é a melhor saltadora de todos os tempos. Mas todos têm dia ruim."Distante do pódio pela primeira vez desde 2003, quando obteve o bronze em Paris, Isinbayeva se mostrava decepcionada. "Tudo ia bem, eu estava tranquila e confiante. Deitada na pista e concentrada, eu imaginava minha vitória, com bons saltos, nunca a derrota", revelou, ao ser questionada sobre se algo diferente lhe havia ocorrido durante seu habitual ritual de concentração - costuma se esticar na pista e cobrir a cabeça com uma toalha antes de efetuar seus saltos.Mais contida e livre do sal das lágrimas, Isinbayeva disse que pretende usar a derrota como lição para os Jogos de Londres, em 2012. "Espero que isso me dê mais coragem para ser grande em Londres", declarou, notadamente frustrada. Até porque a prova de ontem não teve a participação da americana Jennifer Stuczynski nem das russas Svetlana Feofanova e Yuliya Golubchikova, atletas que poderiam ameaçar o reinado de Isinbayeva.Recordista mundial com 5,05 m, ela foi incapaz de superar ontem os 4,75 m ultrapassados por Anna Rugowska. A americana Chelsea Johnson dividiu a medalha de prata com a polonesa Monica Pyrek. Ambas saltaram 4,65 m, mesma marca da alemã Silke Spiegelburg, que ficou em terceiro por ter usado uma tentativa a mais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.