Sérgio Neves/AE
Sérgio Neves/AE

Desafio corintiano é vencer fora de casa na reta final

Dos sete jogos restantes, time faz quatro deles longe de seus domínios e precisa melhorar o aproveitamento

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2010 | 00h00

Vitória no clássico, fim do jejum de sete jogos e o corintiano voltou a esbanjar confiança. No discurso, a motivação está de volta após o 1 a 0 sobre o Palmeiras e a hora é de arrancar para o título. Mas a tarefa para quem ainda está um ponto atrás de Cruzeiro e Fluminense não é das mais fáceis. O motivo? O desempenho Alvinegro fora de casa, onde faz quatro dos últimos sete jogos: Flamengo, São Paulo, Vitória e Goiás.

Veja também:

linkRonaldo confirma presença contra o Flamengo

linkFlamengo valoriza opções ofensivas

linkZagueiro do Flamengo espera parar Ronaldo

Acostumado a superações, mais uma vez o Corinthians tem um desafio pela frente. Nesta quarta-feira, a equipe visita o Flamengo, no Engenhão. Ganhar significa dormir na liderança e colocar pressão nos adversários. Contudo, o Corinthians faz campanha fraca longe do Pacaembu - ganhou apenas três vezes (Grêmio, Fluminense e Santos). Em 15 visitas, são 15 pontos somados, 33,3% de aproveitamento, desempenho de rebaixado.

E mais: jogar diante do Rubro-Negro no Rio não traz boas lembranças. Nas últimas quatro vezes, a equipe voltou para São Paulo derrotada. Neste ano, os cariocas derrubaram o Corinthians na Libertadores, ganhando o jogo de ida, no Maracanã, por 1 a 0, gol de Adriano. O placar e o autor do gol foram os mesmos do jogo do Brasileirão de 2009. A maior surra ocorreu em 2006, com 3 a 0. No ano seguinte, o do rebaixamento, novo tropeço, em virada por 2 a 1.

Coincidência? Após derrubar a série de nove jogos do Palmeiras, o Corinthians encara um Flamengo invicto após a chegada de Luxemburgo - duas vitórias e dois empates. Derrubar a marca seria arrancar para a taça. Curiosamente, a última vitória corintiana no Rio, diante do Flamengo, significou assumir a liderança do nacional para não mais perdê-la. Foi em 2005, na despedida do técnico Márcio Bittencourt, por 3 a 1, com dois gols de Tevez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.