Desafio da Red Bull é administrar pilotos

Equipe terá de evitar hoje novo choque entre Vettel e Webber, como ocorreu no GP da Turquia

, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2010 | 00h00

Quando o austríaco Dietrich Mateschitz, proprietário da Red Bull, adquiriu da Ford a sua equipe de Fórmula 1, a Jaguar, em 2005, é provável que não imaginasse poder conquistar o título já na sua sexta temporada na Fórmula 1, como agora, afinal lutaria contra organizações históricas e supercampeãs, a exemplo de Ferrari e McLaren. Mas Mateschitz realizou investimentos elevados, bem planejados, como a contratação do excepcional projetista Adrian Newey, e hoje seus pilotos no GP da Cingapura, Sebastian Vettel e Mark Webber, estão dentre os favoritos para vencer a competição e colocarem-se numa posição privilegiada para conquistar o Mundial. Depois da corrida restarão apenas quatro etapas para o encerramento do campeonato.

Mas o projeto de a Red Bull, tão jovem, bater os gigantes da Fórmula 1 terá de superar um desafio e tanto: a concorrência entre seus dois pilotos. Os treinos no circuito Marina Bay sugerem que hoje Vettel, segundo no grid, e Webber, quarto, poderão concorrer pela mesma colocação na prova, e até com boas chances de lutar pela vitória. E como ambos são candidatos ao título, se Christian Horner, diretor da equipe, não intervir, o sonho de Mateschitz realizar seus planos em tão pouco tempo pode se comprometer. Webber lidera o Mundial com 187 pontos, enquanto Vettel é o quinto, 163.

Está em jogo para a Red Bull, hoje, ao longo das 61 voltas do GP de Cingapura, mais do que nunca, sua capacidade gerencial. E se não funcionar, com nova autoeliminação do time, por choque entre seus pilotos, boa parte do muito que foi feito nos últimos seis anos, com enorme esforço, terá sido em vão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.