Desafio do Corinthians, agora, é recuperar Ronaldo para semi

Time elimina o Fluminense e atacante revela estar com uma contusão na panturrilha direita

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

Nada parece ser fácil para o corintiano. E ontem não foi diferente. Depois de ver o time abrir 2 a 0 em 16 minutos de jogo e sofrer com o empate do Fluminense na fase final, o torcedor ainda ficou sabendo da contusão de Ronaldo. O Fenômeno está com contratura na panturrilha direita (leia mais ao lado) e o clube corre contra o tempo para deixá-lo em condição de encarar o Vasco, que eliminou o Vitória ao empatar por 1 a 1, pelas semifinais da Copa do Brasil. Os duelos ocorrem nas duas próximas quartas-feiras. Hoje, às 14 horas, na CBF, acontece o sorteio para definir os locais."Fizemos 2 a 0 e o time deles não criou quase nada no primeiro tempo. Achamos que seria a mesma coisa na fase final. Pecamos na marcação e sofremos dois gols, mas depois acordamos e soubemos administrar a vantagem", definiu bem o empate por 2 a 2 o meia Douglas.Com desvantagem de 1 a 0 do duelo no Pacaembu, o Fluminense prometia superação na força da torcida. Fizeram a convocação e os tricolores lotaram o Maracanã. Como prometido, pegaram no pé de Ronaldo, que teve direito a uma música cheia de ironia e provocação.Mas não conseguiram empurrar o time para a classificação por causa do início surpreendente do Corinthians. Logo aos seis minutos, falta perigosa na entrada da área e Chicão, com precisão, encobriu a barreira. "Percebi, no Pacaembu, que o Fernando Henrique não saía e falei para o Mano que, se tivesse uma chance, conseguiria marcar", disse Chicão. Naquele momento, eram necessários três gols para os cariocas avançarem. A calma deu lugar a jogadas ríspidas. Aos 13, Maicon mereceu ser expulso. Dois minutos depois, nova pancada. O juiz Carlos Eugênio Simon ignorou.O técnico Mano Menezes pediu mais firmeza da arbitragem quando viu, aos 16, Dentinho lançar para Jorge Henrique, que, com a coxa, encobriu Fernando Henrique e ampliou para 2 a 0.O Alvinegro, então, resolveu tocar a bola e administrar a imensa vantagem. Aos 20, já havia tricolores nas arquibancadas vaiando a equipe e pedindo dedicação. E corintianos, acreditem, gritando "olé."Antes do intervalo Fred deu o ar da graça. Primeiro ao ter um gol anulado acertadamente, por estar impedido. Depois, por uma entrada desleal em William. Não conseguia manter a serenidade, e a todo lance batia boca com corintianos."Nossa equipe toda está bem, marcando. Vamos voltar da mesma forma na segunda etapa, envolvendo o Fluminense", receitou Dentinho.Palavras jogadas ao vento. O Corinthians voltou apático, achando que já havia definido o duelo. Acomodou-se. Era toquinho de lado, sem objetividade. Isso despertou o Fluminense. Resultado: dois gols sofridos, aos 18, com Alan, e aos 23, com Thiago Neves. Os cariocas renasceram no jogo. Foram 15 minutos de domínio do Fluminense, incentivado pela torcida. "Depois dos gols, voltamos a jogar", disse Douglas. Verdade, o Corinthians usou seu bom toque de bola para fazer o tempo passar e, enfim, comemorar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.