JF Diório/AE
JF Diório/AE

Desafios de Muricy sem Neymar diante da Portuguesa

Treinador perde a referência do time, escala três volantes e deve jogar com apenas um atacante no sábado

SANCHES FILHO / SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2012 | 03h08

SANTOS - Como compensar a ausência de Neymar (suspenso pelo terceiro cartão amarelo) e montar um time forte e capaz de derrotar a Portuguesa, sábado, no Pacaembu? Esses são os desafios de Muricy Ramalho para manter o Santos com possibilidades (remotas) de se classificar para a Copa Libertadores da América.

Com a semana livre para treinar o time e fazer experiências em busca de soluções para os seus problemas, até agora o Muricy orientou apenas um treino com bola, sem a presença da imprensa, terça-feira à tarde, no CT Rei Pelé. Os outros dois da semana foram para apurar o condicionamento físico do grupo.

No treino tático de hoje à tarde, Muricy vai começar a dar uma cara ao time para o jogo de sábado. Além do desfalque do sempre decisivo Neymar, o técnico também sente a falta de um meia com características parecidas às de Ganso.

A saída é fortalecer o bloco defensivo, com a escalação de três volantes - Adriano, Arouca e Gerson Magrão -, agrupar o time no meio e deixar apenas André adiantado. Felipe Anderson e Pato Rodriguez, jogadores velozes e condutores de bola, serão encarregados de puxar os contra-ataques.

O esquema preferido de Muricy é o 4-4-2. Mas, isso era quando Ganso ainda estava à sua disposição e com Neymar no time. Agora o treinador não tem um jogador em condições para jogar na frente para formar a dupla com André. Poderia ser Miralles, mas o atacante argentino sofreu um edema na coxa direita diante do Universidad de Chile, no dia 22 de agosto, e só agora volta aos treinamentos físicos. Outro que poderia se improvisado na frente é Bernardo, que tem boa movimentação e finaliza bem, mas, por motivo não revelado, Muricy não confia nele.

"É difícil não sentir a ausência dele. As outras equipes estão acostumadas a jogar sem Neymar e o Santos está acostumado a jogar com Neymar. Ele faz falta ao Santos como faria a qualquer outro clube a que pertencesse", disse o goleiro Rafael, após o treino de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.