Desafios marcam Eldorado-Brasilis

O "BL-3/Alforria", um Fast 410 de 17 anos que já cruzou o Atlântico, é a aposta da Escola de Iatismo na regata Eldorado-Brasilis, classe Bico de Proa. O barco largará no sábado, dia 19, e o capitão Pedro Rodrigues, 36 anos, profissional de vela, está preparado para o desafio: "No ano passado completamos a prova em 11 dias. Este ano, contando com a ajuda dos ventos, queremos terminar em nove dias. Já será uma conquista".Pedro colocou na tripulação do "BL-3/Alforria" dois instrutores da escola de vela (em Ilha Bela e filial na represa de Guarapiranga) - Nadia Meggon e Vinicius Stump - e dois alunos - José Ibiapina e Ademir Lima. "Para quem estuda iatismo esta é uma oportunidade inestimável. Para enfrentar uma prova longa como esta, a equipe tem que aprender a trabalhar junto, a se integrar da melhor maneira, do contrário não dá certo. Sem contar a parte técnica onde o velejador é exigido ao máximo", diz Pedro Rodrigues. E resume: "O aluno é exigido ao máximo. É o verdadeiro PHD da vela".Vencedor da Santos-Rio, na classe Bico de Proa, em 2000 e 2001, Pedro Rodrigues providenciou reformas no barco desde o final do ano passado, reparando o motor, velas, bote salva-vidas e o sistema de comunicação.Em terra, Pedro terá o auxílio de Thiery Stump, pai do instrutor Vinicius Stump, que passará para o veleiro todas as informações meteorológicas necessárias para percorrer as 1.260 milhas náuticas entre Vitória-Ilha de Trindade-Vitória. Thiery tem profundo conhecimento de navegação e foi o responsável pelo projeto de um dos barcos do navegador Amyr Klink.Pedro Rodrigues é um entusiasta da Eldorado-Brasilis, que será disputada pela terceira vez este ano. "No ano passado, a regata foi uma experiência emocionante. Acho muito importante esse entrosamento com a Marinha do Brasil. Esta é a grande oportunidade para trocar informações com a Marinha. E isso enriquece a formação do velejador", avalia.Cautela - Para ele, a desistência do comandante Pablo Furlan de participar da regata com trimarã "Barracuda" não foi surpresa. "O trimarã é muito rápido mas é um barco sem grande estabilidade. Tenho dúvida se ele teria resistência para conseguir completar o percurso", analisa.A Eldorado-Brasilis, com o patrocínio da Stremo Corretora de Seguros, Wall Street Institute e Business School São Paulo, larga no sábado, às 10h, na praia de Camburi, em Vitória. Segundo o novo trajeto do comitê de organização, a flotilha passará pela entrada da praia de Jurema, contornará a bóia instalada entre as ilhas dos Bois e do Frade e só a partir deste ponto tomará o rumo da Ilha de Trindade. A previsão mínima para a duração da competição é de sete dias, incluindo uma parada neutralizada não obrigatória na Ilha de Trindade. Nesta quinta e sexta-feira, os barcos estarão abertos à visitação pública entre 13 e 16 horas.Um dos organizadores da regata, Fernando Luigi, da W60, explica: "Espero que, este ano, todos os veleiros façam a parada na Ilha de Trindade para a homenagem que vamos prestar ao velejador neozelandês Sir Peter Blake". Uma placa com o nome de Blake será colocada na ilha.

Agencia Estado,

16 de janeiro de 2002 | 16h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.