NELSON ANTOINE/AGIF
NELSON ANTOINE/AGIF

Desembargador veta transferência do goleiro Bruno para presídio de segurança máxima

Tribunal de Justiça havia determinado mudança após 'falta grave' cometida na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2019 | 09h18

O goleiro Bruno não será mais transferido para a penitenciária de segurança máxima Nova Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo liminar do desembargador Fausto de Castro, o ex-jogador do Flamengo, condenado a 20 anos de prisão pela morte da modelo Eliza Samudio, deve continuar preso na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), em Varginha, até o “julgamento do mérito” da suposta falta grave cometida pelo detendo.

Na última quarta-feira, o Tribunal de Justiça havia determinado a transferência por conta das imagens registradas em outubro do ano passado, onde Bruno aparece marcando encontro com mulheres em um bar no momento em que deveria estar prestando serviços a uma entidade de apoio aos detentos.

A defesa do goleiro alegou na época que ele não cometeu nenhuma irregularidade, já que o caso teria acontecido em seu horário de descanso e ele não teria tomado cerveja no local.

Em dezembro, o Conselho Disciplinar da Apac de Varginha inocentou o goleiro, mas o juiz da 1º Vara Criminal de Execuções Penais de Varginha, Tarcísio Moreira de Souza, reviu o caso neste mês e determinou que houve "falta disciplinar grave" do ex-goleiro de Flamengo, Atlético-MG, Corinthians, entre outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.