Desequilíbrio em momentos decisivos é marca corintiana

Assim como o peruano Luis Ramirez, outros já deixaram o time em situação delicada. A lista tem Roger, Saci, Coelho...

Anelso Paixão, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2011 | 00h00

A inexplicável expulsão do peruano Luis Ramirez apenas dois minutos após ter entrado em campo como esperança de reação corintiana diante do Tolima, na Colômbia - o time perdia por 1 a 0-, faz o torcedor se recordar de outras situações em que o desequilíbrio emocional acabou atrapalhando em momentos decisivos.

Na Libertadores de 2003, após ter perdido o primeiro jogo de virada para o River Plate, na Argentina por 2 a 1, e ter o lateral-esquerdo Kléber expulso, o Corinthians encarou o jogo de volta no Morumbi acreditando que poderia reverter o quadro. Aos gritos de "pega, pega", o técnico Geninho tentava incentivar seus jogadores. E foi assim, embalado pelo treinador, que o lateral-esquerdo Roger, substituto de Kléber naquela partida, perdeu a cabeça, fez falta violenta em D"Alessandro e levou o cartão vermelho. Resultado: nova derrota por 2 a 1 e eliminação.

Gol contra. Em outros momentos, a obsessão da torcida pelo título inédito da Libertadores levou os jogadores a cometerem erros incomuns. Em 2006, no jogo de volta do Corinthians novamente contra o River Plate, no Pacaembu, o lateral-direito Coelho marcou contra ao tentar cortar um cruzamento. O time, que já havia perdido na Argentina por 3 a 2, voltou a cair no Brasil, desta vez por 3 a 1. Com a eliminação, o Pacaembu quase veio abaixo com a revolta da torcida.

Em 1999 e 2000, os pênaltis perdidos foram o problema. Na primeira vez, Dinei e Vampeta erraram. Na segunda, foi a vez de Marcelinho Carioca. Em ambos os casos, o Palmeiras era o adversário e levou a melhor.

Copa do Brasil. Já sob o comando de Mano Menezes e ainda tentando se reerguer do vexame do rebaixamento para a Série B do Brasileiro em 2007, o Corinthians fazia a final da Copa do Brasil de 2008 contra o Sport Recife. No primeiro jogo, no Morumbi, fez uma grande exibição e venceu por 3 a 1. Na partida de volta, porém, na Ilha do Retiro, o time perdia por 2 a 0 quando o lateral-esquerdo Wellington Saci entrou para tentar fazer o time reagir. No entanto, o jogador ficou menos de dois minutos em campo. Ao disputar lance com o atacante Carlinhos Bala na lateral do gramado, Saci perdeu a cabeça e chutou o adversário. Foi expulso e o time perdeu o jogo por 2 a 0 e o título.

Agora, o peruano, que havia estreado no time marcando um gol e tinha virado grande esperança, engrossa a lista dos "desequilibrados alvinegros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.