Desfalcado, Brasil faz aposta no esforço coletivo

Disputa começa hoje e seleções precisam ficar entre as 24 do mundo para seguir na luta por Londres/2012

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2010 | 00h00

Desfalcado de alguns de seus principais ginastas, o Brasil aposta suas fichas no esforço coletivo de seus 14 atletas - com destaque para Daniele Hypolito, Jade Barbosa e Mosiah Rodrigues - para conquistar o principal objetivo do Mundial de Roterdã, que começa hoje: manter o País na briga por uma vaga nos Jogos de Londres, em 2012.

"Estamos dizendo que este Mundial é um Pré-Pré-Olímpico", explica Klayler Mourthé, supervisor das seleções brasileiras. "As equipes feminina e masculina precisam ficar entre as 24 melhores do mundo para podermos disputar o Mundial do Japão, em 2011, que também será o Pré-Olímpico. Lá é que serão decididas as vagas para Londres."

Na Olimpíada de Pequim, em 2008, apenas as mulheres conseguiram classificar a equipe completa. A ginástica brasileira masculina foi representada apenas por Diego Hypolito, no solo.

A seleção feminina, que disputa a fase qualificatória hoje e amanhã, é a que menos sofreu modificações. Não terá Daiane dos Santos, que ainda passa por trâmites referentes à sua suspensão por doping e não está liberada para competições, nem Laís Souza, recuperando-se de cirurgia.

Conta, porém, com a força de Daniele Hypolito, a mais experiente da equipe, que não disputou o Mundial de Londres, em 2009, devido a uma lesão na coxa. Também terá o retorno de Jade Barbosa. Embora fora de ritmo, a ginasta disputará sua primeira competição pelo Brasil desde Pequim. Sua ausência deveu-se à grave lesão sofrida no punho direito e desacertos entre seu pai, Cesar Barbosa, e a Confederação Brasileira de Ginástica.

"Treinamos bem desde a aclimatação que fizemos em Madri", conta Daniele, de 26 anos. "Tenho certeza de que vamos conseguir a classificação entre as 24 equipes, essa é a nossa preocupação. Queremos garantir o Brasil no Mundial de 2011." Completam a equipe as jovens Ethiene Franco, Priscila Cobello e a estreante Adrian Gomes, além de Bruna Leal, que conseguiu o principal resultado brasileiro no último Mundial - a 14.ª posição no individual geral. Gabriela Soares, de 16 anos, é reserva.

Esperando por Diego. A seleção masculina, já carente de bons resultados, dificilmente colherá frutos individuais neste Mundial. A principal esperança, Diego Hypolito, corre contra o tempo para poder disputar o torneio de 2011, pois passou por complicada operação no tornozelo esquerdo há poucos dias. O time também não terá Arthur Zanetti, 4.º nas argolas em 2009, e Victor Rosa, lesionados. Recai sobre Mosiah Rodrigues, de 29 anos, a função de liderar o time. A equipe, que estreia na qualificatória terça-feira, terá Sérgio Sasaki, Danilo Nogueira, Péricles Silva, Francisco Barreto, Felipe Polato e o reserva Petrix Barbosa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.