Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Desgaste deve fazer Mano Menezes alterar escalação da seleção

Técnico garante a entrada de Ganso entre os titulares do Brasil, mas prepara outras mudanças para o jogo de quarta-feira

MATEUS SILVA ALVES, enviado especial, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2012 | 17h25

NEWCASTLE - Já está claro que Mano Menezes vai fazer algumas mudanças na seleção brasileira para o jogo contra a Nova Zelândia, nesta quarta-feira, mas ele diz que ainda não decidiu quais serão essas alterações. No domingo, logo após a vitória sobre a Bielo-Rússia, o técnico adiantou que vai escalar Paulo Henrique Ganso para que o meia ganhe ritmo de jogo, mas não disse quem sairá. E há várias opções.

Como Mano já decidiu poupar o pendurado Hulk, o mais lógico é que Lucas entre em seu lugar. Seria uma troca que não alteraria o sistema de jogo da seleção, que joga com uma linha de três jogadores à frente dos dois volantes e um centroavante. Mas o jogador do Porto pode também dar seu lugar justamente a Ganso. Nesse caso, o santista jogaria ao lado de Oscar, e Neymar formaria dupla com Alexandre Pato (ou Leandro Damião). Outra opção, menos provável, é a saída de Rômulo, com Oscar sendo recuado para jogar como um segundo volante.

De acordo com o treinador, a escalação da equipe para o jogo contra a Nova Zelândia dependerá da avaliação física dos jogadores. "Ainda não está claro quem vai jogar. Tenho de esperar até receber as informações do fisiologista para saber quem está bem e quem precisa de descanso", disse Mano, que pode poupar até mesmo jogadores que pedirem para estar em campo. "A experiência diz que com os jovens às vezes é preciso segurá-los. E com os experientes, às vezes é necessário empurrá-los", brincou.

Nesta segunda-feira, como é praxe no dia seguinte a um jogo, os atletas fizeram apenas um trabalho de relaxamento na piscina do hotel em que a delegação está hospedada. Nesta terça-feira será feito o único treino antes da partida, mas será uma atividade bem leve para não desgastar os jogadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.