Desgaste dos jogadores faz Tite pensar na volta do rodízio

Técnico estuda repetir a estratégia usada durante a Libertadores para evitar contusões já a partir do jogo contra o Atlético-MG

FÁBIO HECICO, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h07

CORINTHIANS. CÁSSIO A FRED: 'JOGANDO ASSIM GANHAMOS TÍTULOS'

Muitos times estão interessados no jogo do Corinthians diante do líder Atlético-MG, domingo, no Pacaembu. Mas o técnico Tite pode iniciar nessa partida um rodízio, como fez quando disputava a Taça Libertadores e o Campeonato Paulista ao mesmo tempo por causa do desgaste físico de alguns titulares. Agora, eles já sentem a sequência dura de jogos duas vezes por semana.

Ontem, o clube mudou a programação e o time ganhou folga após voltar do Rio, onde empatou com o Fluminense por 1 a 1, justamente para descansar. Uma atividade estava programada para o período da tarde.

Hoje, antes de irem a campo, os jogadores serão submetidos ao exame de CK (Creatina Quinase) para detectar o índice de desgaste físico e saber quem está sofrendo mais com a maratona de jogos. "Por enquanto, não dá para saber se alguém não jogará domingo. Vamos esperar o resultado dos exames", afirma o preparador físico Fábio Mahseredjian, ciente, contudo, de que dificilmente alguém não atingirá níveis altos no exame de sangue.

Alessandro (33 anos), Chicão (31), Fábio Santos (27), Danilo (33), Douglas (30) e Emerson (faz 34 dia 6) vêm jogando com maior intensidade e são os mais cotados a apresentar alto nível de desgaste.

Os jovens, como Paulinho (23 anos) e Romarinho (19), também não escondem o cansaço. O atacante até pediu substituição no Rio, assim como Douglas e Emerson. "Pediram algumas vezes para serem substituídos e eu ainda os incentivei a ficarem até onde podiam", revela Tite.

Cuidado com lesões. O treinador sabe que o time pode ser o "fiel da balança" da competição (enfrenta o líder Atlético-MG, depois o Figueirense e encara o Grêmio, que está em terceiro) e não gostaria de fazer mudanças drásticas. Mas vai esperar até amanhã para ver quem terá de tirar da equipe. Por ele, usaria força máxima.

Só que Tite já foi avisado que alguém pode "estourar". E por isso insiste em reclamar do calendário com jogos duas vezes por semana. "É um crime um jogador estar em campo menos de 72 horas depois de uma partida. Sou preparador físico e sei bem o que isso pode causar", enfatiza Tite, formado em educação física.

Como já tem alguns nomes fortes em condições de não deixar o ritmo da equipe cair, casos de Edenílson, Guilherme, Ramirez e Guerrero, o treinador vai conversar com Mahseredjian e os fisiologistas. Diante do Fluminense, Emerson sentiu uma dorzinha na virilha com apenas 30 segundos de jogo. Permaneceu em campo, mas, como no clássico com o São Paulo, "morreu" na etapa final. Douglas também.

Na Libertadores, o Corinthians "voava" e sobressaía por causa do bom preparo nas etapas finais. Mas os reservas eram utilizados no Paulista. Ou seja, os titulares jogavam um vez por semana. Agora estão na maratona e a queda nos 45 minutos finais é evidente por causa do desgaste. "Claro que os últimos resultados preocupam. E o desgaste também. Mas estamos jogando bem, vamos procurar descansar para estar bem no fim de semana", prega Danilo, que sentiu o desgaste e caiu de rendimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.