Despejo

O Clube de Regatas Tietê talvez tenha chegado mesmo ao fim. O clube, despejado pela Prefeitura, tem 30 dias para deixar a sede, como informa matéria deste jornal de 26 de outubro. Um dos motivos alegados é que em 2009 terminou o contrato de concessão entre Prefeitura e clube, que era antigo e onde não constavam "cláusulas de contrapartidas''.

UGO GIORGETTI, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2012 | 03h04

Contrapartidas são as vantagens que o clube daria à Prefeitura em troca da concessão. Se foi por falta de contrapartidas, peço licença para listar algumas de grande valor: Maria Ester Bueno, Abilio Couto, Maria Lenk, Amaury Pasos, Eurico, Vitor, Angel Crespo. Estou me referindo a atletas da maior importância. Há, aí, campeões mundiais e recordistas mundiais de tênis, basquete e natação. Creio que sejam contrapartidas mais do que suficientes de um clube inteiramente amador e que, ao contrário, sofreu com a crescente profissionalização dos esportes.

Sofreu e muito também por causa da própria Prefeitura. De todos os clubes da Ponte das Bandeiras que tiveram suas áreas diminuídas para o surgimento das terríveis Marginais, foi o Tietê o mais mutilado. É de amarga ironia o fato de um clube de regatas não ter mais acesso ao rio.

É verdade que o rio também não existe mais. Portanto, se alguém deve a alguém é a Prefeitura a ser cobrada, e não o Tietê. Esse clube faz parte da minha memória afetiva. Garoto, jogando nas equipes de base do rival Floresta/Espéria, cansei de atravessar a ponte só para ver no ginásio do Tietê as exibições do grande Amaury Pasos já vice-campeão mundial pelo Brasil e o mais completo jogador de basquete que este País já produziu. Mas não havia só Amaury. Havia Eurico, mais tarde Vitor Mirshawka, este também um extraordinário jogador, e o treinador Crespo.

Creio que essas "contrapartidas" são suficientes para assegurar com sobras a permanência do clube no espaço a que está reduzido. A Prefeitura deveria encontrar uma solução em conjunto com o pessoal do Tietê, porque o que é mais importante não são as piscinas e os ginásios, que vão continuar lá e não podem ser despejados. O mais importante é o nome C.R. Tietê, que embute todas as conquistas, todas as "contrapartidas". O nome, as cores e a história constituem um bem imaterial de incalculável valor, e é o que realmente vai ser despejado.

Vão ser despejados todos esses grandes atletas que enumerei acima e suas histórias, que é exatamente o que deveria servir de legado a todos que passassem a frequentar o lugar depois da posse da Prefeitura. Sei que não se dá qualquer valor a bens imateriais, aliás, muitos que deviam saber, nem sabem o que é isso. Mas faço uma tentativa: aquele enclave na Ponte das Bandeiras, que junto com A.D. Floresta/Espéria, e A. Atlética São Paulo, formou o Triangulo das Bermudas do basquete da cidade, não pode se tornar apenas um lugar com quadras, ginásios, piscinas, mas sem nome.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.