Devagar com as conclusões

Um dos maiores equívocos da opinião esportiva - entrelaçado com bairrismo, ufanismo, clubismo e os outros "ismos" conhecidos - é tirar conclusões a partir de um jogo só. Na semana passada, por exemplo, o Palmeiras tinha perdido do São Paulo e críticas foram feitas à defesa, pois a dupla Jéci e Gladstone não parecia substituir Henrique e Gustavo à altura. Aí o Palmeiras ganhou bem do Fluminense e as "respostas" vieram. No mesmo jogo, Kléber deu uma de Alex Mineiro e fez dois gols de cabeça, o que para muitos foi uma prova de que ele poderia fazer sempre esse papel. Mas na partida seguinte, contra o Goiás, no último domingo, a zaga voltou a falhar e Kléber não marcou gol e ainda foi expulso... Subitamente os elogios foram esquecidos.No vaivém de chutes, quem fica impedido é o entendimento de quais são os problemas concretos da equipe. A zaga realmente tem falhado, e a proteção de Pierre fez falta. No jogo contra o Fluminense, o reserva Sandro Silva, que marcou Thiago Neves e também avançou algumas vezes, cumpriu bem o trabalho de volante. Mesmo assim, no jogo contra o Goiás, quando o Palmeiras estava em desvantagem, Luxemburgo decidiu tirá-lo para deixar o time mais ofensivo - só que ficou mais exposto e sofreu o terceiro gol. Não é só por isso que o Palmeiras é irregular. A a irregularidade começa no futebol de seus jogadores mais importantes, Valdivia e Diego Souza - e essa irregularidade já tinha sido apontada por algumas pessoas nos melhores momentos do time no Paulistão. Certos consensos não têm consistência casual.Leitura semelhante ocorreu com o São Paulo. Depois da vitória sobre o Palmeiras, a questão era como ele se viraria sem os gols e a referência de Borges. O time, porém, venceu com segurança o Vitória na casa do adversário, com gols de Éder Luís e Dagoberto. Logo trataram de aclamar o novo ataque. No domingo, no Morumbi, o time jogou mal - foi dominado territorialmente pelo Botafogo, que desperdiçou ao menos três chances claras - e Dagoberto fez gol no final graças a um passe adocicado de Jorge Wagner para a pequena área. Qualquer pessoa sensata, portanto, vê que a dupla veloz pode funcionar contra times que dão espaço em contra-ataque, mas que na maioria dos jogos ela deixará a dever em pontaria. Muricy sabe, tanto que pôs Aloísio como homem de área antes da virada. O clube também sabe, tanto que contratou André Lima para disputar a posição. Ainda bem que nem todo mundo se deixa iludir por uma jornada de sucesso.NEGÓCIO DA CHINARonaldinho Gaúcho e seus representantes bem aprenderam a lição chinesa de converter crise em oportunidade e conseguiram uma dupla vitória: o jogador vai para o Milan, jogar ao lado de Kaká, Seedorf, Pirlo e Pato, e antes participará da Olimpíada. Na China, atuará com um time de talentosos jogadores, como o próprio Pato, mas, com o cancelamento de Robinho, será o único craque experiente. No melhor dos seus sonhos e dos patrocinadores, será o comandante dessa equipe sub-23 até a conquista inédita do ouro. Porém, como já tem presença garantida num grande clube europeu, poderá ser de novo o principal fiasco (como em 2000 e 2006). Estou com a torcida brasileira; quero que a primeira hipótese se realize. Mesmo que a imprensa já o esteja endeusando de novo, seu talento merece muito crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.