Rafael Bello/ COB
Rafael Bello/ COB

Dia das Mulheres: COB aposta em missão 100% feminina em competição

Nos Jogos Sul-Americanos de Praia, entidade terá grupo de mulheres como homenagem e reconhecimento à contribuição delas no esporte

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2019 | 17h07

O Comitê Olímpico do Brasil optou por levar para a quarta edição dos Jogos Sul-Americanos de Praia, em Rosário, na Argentina, uma missão 100% liderada por mulheres, em reconhecimento à contribuição feminina no esporte. A chefe da missão será Mariana Vieira de Mello, gerente de Planejamento e Desempenho Esportivo do COB. O grupo embarca no sábado, um dia depois de se comemorar o Dia Internacional da Mulher.

Outras integrantes do grupo são Dasha Mishchenko e Gabriela Soares, que estarão na área de operação, Glaucia Heier no apoio administrativo, Natália Mourão como responsável pela área médica, Flora Silva na área de massoterapia, Amanda Lima na fisioterapia e Mônica Faria e Miriam Jeske na comunicação.

 

"Foi uma ideia muito feliz do COB lançar essa missão totalmente liderada por mulheres. Não que isso venha a ser um padrão no futuro, mas que as mulheres consigam mostrar que são capazes, que têm o mesmo potencial, que são profissionais. Que isso abra portas no futuro, não só no COB, mas no mundo esportivo e na sociedade como um todo", disse Mariana.

"As mulheres não querem ser tratadas como os homens. Todos nós temos nossas diferenças, mas que a gente tenha as mesmas oportunidades de mostrar do que somos capazes e que cada uma consiga conquistar seu espaço de acordo com a sua capacidade, não por ser homem ou mulher. Essa é a ideia", continuou.

O evento será realizado de 14 a 23 de março e contará com cerca de 2.000 atletas, disputando 24 provas de 13 modalidades esportivas. O Time Brasil, que terá 37 homens e 25 mulheres, será representado em nove modalidades: esqui aquático, beach soccer, handebol de praia, maratona aquática, SUP race, tênis de praia, triatlo, vela e vôlei de praia.

Segundo Mariana, o Brasil vai para a competição com três objetivos principais: dar oportunidade a jovens atletas de vivenciar o clima de uma grande competição, ter esportistas com chances de classificação para o Mundial de Praia, que será disputado em San Diego, nos Estados Unidos, e dar oportunidade para competidores de algumas modalidades não olímpicas.

"A gente está levando alguns esportes não olímpicos, mas que tiveram excelentes resultados em Mundiais no ano passado, como é o exemplo do handebol de praia, que foi campeão. Achamos relevante dar essa oportunidade para que eles continuem nessa trilha de bons resultados para o Brasil", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.