Dia de começar a reconstrução do Palmeiras

Com um time cheio de garotos, equipe alviverde encara o Atlético-GO e conta com o apoio da torcida para se reerguer

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2012 | 02h08

O jogo de hoje tinha tudo para ser melancólico, com um clima de velório parecido com o do dia do rebaixamento, mas a força e a esperança da torcida do Palmeiras - aliadas a uma boa estratégia de Gilson Kleina - fazem com que a partida diante do Atlético-GO se torne um marco na reconstrução alviverde.

Ao invés de xingamentos, palmas e gritos de incentivos devem vir das arquibancadas. Pelo menos essa é a promessa dos torcedores, que verão em campo um time de garotos que correrão atrás da bola como um faminto luta por um prato de comida, dando exemplo a boa parte dos que ficarão de fora do jogo para não serem xingados - ontem, aliás, eles foram alvo de um protesto realizado na frente da Academia de Futebol por membros da Mancha Alviverde.

A bronca não era com o time todo, mas sim com jogadores que não estarão no Pacaembu. O amor do torcedor pelo seu clube é incontestável e o dos palmeirenses não é diferente. Mas o orgulho ficou ferido tamanha vergonha passada nas últimas rodadas e com a queda para a Série B.

Por uma ironia, o adversário de hoje é outro que também vai jogar a Série B. Para alguns torcedores, o jogo pode ganhar um ar de prévia do que vem em 2013, mas para os garotos que esperaram tanto por uma chance a partida será como uma final de Copa. E ter a torcida ao seu lado motiva ainda mais os meninos.

Seis garotos. Em campo, estará o novo Palmeiras. Novo não só na idade como na mentalidade e vontade. Por isso, a previsão é de que dez mil palmeirenses estejam no Pacaembu para apoiar os garotos. Será o primeiro jogo em São Paulo após a punição da perda de quatro mandos de campo pela confusão no clássico contra o Corinthians.

Sem mistérios, o treinador já na sexta-feira confirmou o time com seis atletas da base: Raphael Alemão, Bruno Oliveira, Wellington, Patrick Vieira, Bruno Dybal e Vinícius. No total, o Palmeiras tem 13 desfalques, entre eles o atacante Barcos, suspenso.

No Atlético-GO, o técnico Jairo Araújo não conta com o volante Dodó, suspenso. Carlos deve entrar em seu lugar. E Eron e Ricardo Bueno, que ficaram de fora contra o Atlético-MG por questões contratuais, voltam ao time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.