Diabético, piloto Charlie Kimball corre na Indy sob condição especial

Para correr, ele precisa adotar um esquema especial para monitorar a glicose no seu sangue

LEANDRO SILVEIRA, Agência Estado

29 Abril 2011 | 17h50

SÃO PAULO - O piloto norte-americano Charlie Kimball teve desempenho discreto nas suas primeiras corridas na Fórmula Indy, mas dá um ótimo exemplo para o público que acompanha a categoria, que realiza neste domingo a etapa de São Paulo, no circuito de rua do Anhembi. Estreante nesta temporada, ele descobriu em 2007 ser portador de diabetes, mas nem por isso desistiu do automobilismo.

Kimball, porém, precisou alterar a sua rotina de vida para continuar nas pistas. Nesta sexta-feira, ele contou um pouco da sua experiência para sete crianças da Associação dos Diabetes Juvenis, em encontro realizado na garagem do circuito paulistano. O contato foi especial para os garotos, que se deslumbraram com o carro da equipe Chip Ganassi e o macacão utilizado pelo piloto.

Para participar das provas da Indy, Kimball precisa adotar um esquema especial para monitorar a glicose no seu sangue. No seu carro, ele usa um dispositivo para medição. Os números aparecem no visor do monoposto, junto com outras informações, como a velocidade.

Além disso, Kimball não consome um líquido isotônico no cockpit, ao contrário do que tradicionalmente acontece com os pilotos da categoria. O norte-americano carrega um suco de laranja, que bebe quando o índice da glicose está baixo.

"Os outros pilotos me respeitam e me dão força", disse Kimball, que, depois de três etapas realizadas, ocupa apenas o 19º lugar na classificação geral do campeonato de 2011 da Fórmula Indy.

Mais conteúdo sobre:
Fórmula IndyCharlie Kimball

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.