Diário do Japão: Fifa tem de rever formato do Mundial com certa urgência

O Mundial se despede hoje de Toyota e não vai deixar saudade nem lá nem em Nagoya, a cidade onde estão concentradas as equipes que jogam por aqui. O estádio nunca chegou perto de ficar pelo menos razoavelmente cheio e nas ruas da cidade não se vive o clima de uma grande competição do esporte mais apaixonante do planeta.

Luís Augusto Monaco, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2011 | 03h01

A Fifa argumenta que não pôde promover como gostaria a competição porque a J-League só acabou sábado, depois de ter começado com seis semanas de atraso por causa do tsunami que ocorreu em março no Japão. Mas a verdade é que a competição precisa ser reformada para se tornar mais atraente. A ideia de dar o mesmo peso a cada continente pode ser politicamente correta e muito bonita no papel, mas na prática se mostra um problema.

O Mundial de Clubes deveria ser como o de seleções, com mais vagas para os continentes de maior tradição futebolística. Se Peñarol e Manchester United (vices da América do Sul e Europa) estivessem por aqui haveria mais turistas e mais interesse da imprensa e dos torcedores. O problema é que para mexer no formato do Mundial a Fifa precisaria de mais datas, artigo escasso em um calendário muito carregado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.