Diego não quer nem olhar para Domingos

Meia do Palmeiras reencontrará zagueiro do Santos, no Palestra

Bruno Deiro, O Estadao de S.Paulo

26 de junho de 2009 | 00h00

Às vésperas do clássico contra o Santos, o palmeirense Diego Souza não promete troca de gentilezas em seu reencontro com o zagueiro Domingos. "Não vou nem cumprimentá-lo. A gente não se falou esse tempo todo", disse o meia. Os dois, que protagonizaram troca de agressões físicas e verbais nas semifinais do último Paulista, estarão frente a frente no domingo, às 18h30, no Palestra Itália."Para ele eu não sei, mas para mim esse assunto acabou", afirmou Diego Souza. "A quem eu tinha de me desculpar eu já fiz." Após aquela partida, que eliminou o Palmeiras do Estadual, o meia disse que foi provocado por Domingos para ser expulso e chamou o rival de covarde. Desta vez, Diego preferiu amenizar. "É uma situação normal e vou jogar contra ele mais 500 vezes, temos a mesma idade."A confusão, em abril, só foi julgada em maio e terminou em punições brandas. Apesar de voltar ao gramado para agredir Domingos em frente às câmeras após a expulsão, Diego Souza se livrou da suspensão mais pesada, de 540 dias. Pegou oito jogos, a serem cumpridos no próximo Paulista. Já o zagueiro do Santos pegou gancho de duas partidas por assumir atitude contrária à disciplina e à moral desportiva - que também só vale para o Estadual de 2010. Duelo individual à parte, o clássico é encarado como decisivo pelo Palmeiras. Além de vingar a eliminação no Paulista, o time de Vanderlei Luxemburgo quer espantar de vez a crise após o fim do sonho do bicampeonato na Libertadores. O honroso empate por 2 a 2 com o Atlético-PR na última rodada, fora de casa, diminuiu os rumores sobre a saída do técnico. Um tropeço em casa contra o Santos, porém, pode trazer a pressão de volta. "A eliminação já passou, é hora de dar a volta por cima", diz Diego Souza. "Precisamos vencer para ganhar moral e subir cada vez mais na tabela." O time ocupa a 4ª posição no Brasileiro e soma 12 pontos, cinco a menos que o líder Atlético-MG.NOVO ARCE?Apresentado ontem no CT , o lateral-direito chileno Figueroa só poderá estrear em agosto, mas já sente o peso de reforçar um setor complicado para o Palmeiras. Desde a passagem do paraguaio Arce, que deixou o clube em 2002, a torcida ainda não aprovou ninguém na posição. "Sei que a pressão é maior pelo fato de ser estrangeiro, mas estou tranquilo."Enquanto Arce se destacava pelos cruzamentos e chutes venenosos, Figueroa promete disposição. "Tenho bom físico e qualidade na saída de bola." Com passagens pelos chilenos Cobreloa e Colo Colo, o lateral de 26 anos foi emprestado ao Palmeiras até o fim de julho de 2010. O QUE ELE DISSEDiego Souzameia do Palmeiras"Não vou cumprimentá-lo. Não nos falamos esse tempo todo""Para ele eu não sei, mas para mim esse assunto acabou"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.