Diego Souza, à vontade, conduz time a outra vitória

Livre para atuar como gosta, camisa 7 ajuda a marcar, arma lances perigosos, chega à área e faz gol com estilo

Daniel Akstein Batista, BELO HORIZONTE, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2008 | 00h00

Diego Souza mostrou ontem, mais uma vez, por que a palavra confiança é uma das mais importantes em seu dicionário. Mesmo criticado por torcedores e conselheiros no início do campeonato, o camisa 7 palmeirense acreditava que um dia seu bom futebol voltaria a aparecer. Era questão de tempo.E o tempo, no seu caso, chegaria assim que Valdivia fosse negociado. Com a ida do chileno para o Oriente Médio, mês passado, Diego Souza voltou a jogar bem. Ontem, fez o gol da vitória sobre o Cruzeiro, resultado que deixa o Palmeiras a três pontos do líder Grêmio. "Nosso time foi sensacional", comemorou o meia de 23 anos. "Nosso ponto alto foi a marcação."Como o Palmeiras atuou apenas com Lenny no ataque - Alex Mineiro e Kléber estavam suspensos -, Diego Souza teve de trabalhar bem mais. Além de ajudar na marcação, armou jogadas e apareceu na área. Em cruzamento de Sandro Silva, aos 42 minutos, fez 1 a 0. "O Fabrício (volante adversário) tentou fazer linha de impedimento, mas já era tarde", contou.Diego Souza tem sido fundamental. Contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, dia 31, anotou os dois gols do triunfo por 2 a 1. Ele afirmara que aquela partida seria uma das mais importantes no Brasileiro. A de ontem já entrou também para a lista. Além da confiança que tinha em si próprio, Diego Souza contava com o apoio de Vanderlei Luxemburgo. "Ele era uma realidade com que ninguém tinha paciência", disse o treinador. "Vinha jogando numa posição que não era a dele."Com Valdivia ao seu lado, o camisa 7 perdia sua principal característica: a de armar jogadas e aparecer com perigo na frente. Agora, Diego Souza se sente livre para fazer o que gosta. "O Diego fará grandes jogos como hoje (ontem), mas é claro que vai ter uma queda em uma partida ou outra", disse Luxemburgo. Mas a cada vez que o meia repetir a atuação do Mineirão, Luxemburgo e os palmeirenses ficarão satisfeitos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.