Dilemas de Mano

A maré não anda favorável para CBF, seleção e Mano Menezes. A entidade que controla o futebol nacional se desgasta pelo pouco caso com que trata o Campeonato Brasileiro e pela rejeição popular em relação a quem a comanda. A amarelinha é vista de esguelha, porque desfalca times em momentos importantes das competições de que participam. O treinador concentra bronca maior, pois representa o carrasco que lesa torcedores ao tirar-lhes os astros quando não devia.

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2011 | 03h06

O desconforto ficou evidente mais uma vez com a divulgação das listas para jogos contra Argentina, Costa Rica e México. O segundo duelo com os hermanos pela extemporânea Taça Nicolas Leoz (ou o Superclássico das Américas) nem atrapalha tanto, já que não haverá rodada da Série A na semana que vem. Fica apenas o risco de alguma contusão num compromisso que atende apenas a interesses econômicos e políticos da cartolagem desta banda do Cone Sul.

Antipático é o salto para o norte do continente para enfrentar mexicanos e costa-riquenhos, numa hora em que o Brasileiro embica para a reta final e pega fogo. Mano pescou gente de vários clubes envolvidos em brigas boas, ou pelo título, ou por vaga na Taça Libertadores ou mesmo para fugir do rebaixamento (caso de Réver, do enroscado Atlético-MG). Com essa atitude, desencadeou chiadeira ampla e irrestrita.

Isso significa que o Flamengo não terá Ronaldinho Gaúcho no clássico com o Flu, que por sua vez fica sem Fred. Neymar não enfrenta o Palmeiras. Dedé e Oscar saltam o confronto entre Vasco e Inter. E por aí vai. Boa parte da turma que atua no País perderá duas rodadas, embora a CBF, num quebra-galho, no final da tarde tenha transferido três jogos para o dia 13, em tempo para alguns saírem do avião, lavarem o rosto e entrarem em campo novamente.

Eis um aspecto que revela desinteresse de quem deveria cuidar do torneio de elite do joguinho de bola no Brasil. Numa quarta-feira normal, se faz pausa no campeonato para que se dispute a segunda parte do tira-teima sem sentido neste momento. Nas datas determinadas pela Fifa para duelos entre seleções, e portanto com campeonatos suspensos, a bola por aqui rolará sem descanso. Vai entender... E o torcedor lá quer saber o que Julio Cesar, Ronaldinho & Cia. farão em San Juan ou Torreón?! Eles querem seus astros em casa, em seu quintal. Seleção é segundo plano.

Mano sentiu o golpe. Na coletiva, me pareceu mais contido do que o habitual. Ele não faz o estilo descontraído, suas entrevistas não costumam ser animadas. Os media training a que se submeteu não o transformaram em showman. (E dá-lhe expressões inglesas para falar de como comportar-se em público e influenciar pessoas....) Mas ficou evidente a tentativa de explicar que não teve intenção de emperrar a vida dos times.

Só que causará entraves. Mano sabe disso e ainda teve de ouvir perguntas ligadas ao Corinthians. Por que, depois de tantas convocações, dessa vez não apareceu ninguém da equipe que comandou até um ano atrás? E, por coincidência, numa fase de queda na tabela? Quer dizer, quando chamava corintiano era para valorizar. Se agora não chama, é para não estorvar? Dilemas.

Tema que se espalhou pelos fóruns de debates pela internet. Não vejo santinhos no futebol, tampouco sou dos que acreditam em todas as teorias de conspiração que se disseminam num instante. Portanto, não me passa pela cabeça achar que Mano tenha pensado em preservar o Corinthians. Isso é perda de tempo.

No entanto, note como a suspeita contém inversão de valores inquietante. Antes, ter jogadores do clube de coração na seleção era sinal de prestígio e qualidade do elenco. Quanto mais, melhor. "Meu time é o tal!" Hoje, o sujeito fica com raiva se tem atleta do time dele na lista e nenhum do rival. A que pontos chegamos!

E se? O Santos me deixa com a pulga atrás da orelha. Nas últimas oito rodadas, ganhou seis vezes e empatou duas. Tem 35 pontos e dois jogos a menos do que a maioria dos concorrentes. Se mantiver esse índice de aproveitamento, daqui a pouco irrompe no bloco principal, com chance de brigar pelo título. Devaneio? Pode ser. Só que Muricy Ramalho tem sido danado pra ganhar o Brasileiro. E, depois do medo com que São Paulo e Corinthians se enfrentaram anteontem, dá para acreditar em tudo...

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.