Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Dilma cobra melhores resultados do Brasil na Olimpíada

Para presidente, que está em Londres, esportes individuais estão aquém do esperado

JAMIL CHADE, Agência Estado

27 de julho de 2012 | 08h20

LONDRES - A presidente Dilma Rousseff cobrou nesta sexta-feira, em Londres, resultados mais expressivos dos atletas brasileiros na Olimpíada e do próprio Comitê Olímpico Brasileiro (COB) em seu papel neste processo. Em entrevista coletiva, a chefe de Estado deixou claro que o nível de medalhas obtido pelo Brasil em esportes individuais não é satisfatório.

"O Brasil é muito forte em esportes coletivos, como futebol, vôlei e basquete, mas vai ter de fazer um esforço para ampliar os resultados positivos em esportes individuais", afirmou Dilma, que vai anunciar em agosto um novo pacote de ajuda ao COB para o período entre 2012 e 2016, ano em que o Rio receberá os Jogos Olímpicos.

A percepção do governo, porém, é o de que esse desembolso deve ser traduzido em resultados concretos daqui a quatro anos. O COB vem indicando que o número de medalhas obtidas em Londres deve ser o mesmo dos níveis obtidos em Pequim, em 2008, quando o Brasil acumulou três ouros, quatro pratas e oito bronzes. O governo, entretanto, não concorda que isso seja suficiente. "Precisamos buscar um maior número de medalhas na Olimpíada", afirmou Dilma.

Já para 2016, a presidente coloca dois desafios para o Rio e para o COB. O primeiro deles é o de conseguir classificar o maior número possível de atletas para a Olimpíada em quatro anos. O segundo é o de realizar Jogos "absolutamente perfeitos".

Dilma assistirá nesta sexta-feira a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos, em Londres, e antes disso almoça com os atletas brasileiros no Crystal Palace, o centro de treinamento dos competidores do País na capital inglesa. Questionada se aproveitaria o seu sábado em Londres para ver alguma competição no local das disputas, ela explicou que prefere acompanhar os eventos olímpicos pela televisão, já que tem problemas de vista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.