Dilma sela paz com a Fifa e promete 'Copa das Copas'

A presidente Dilma Rousseff garantiu nesta quinta-feira em Zurique, em encontro na sede da Fifa com o presidente Joseph Blatter, que fazer estádio "é o mais simples" e insistiu que o Brasil vai estar pronto para receber a Copa do Mundo. Na reunião, que durou 1 hora e 40 minutos, o Governo Federal e a entidade tentaram mostrar que estão unidos.

JAMIL CHADE, Agência Estado

23 de janeiro de 2014 | 14h53

A presidente insistiu que o Mundial deste ano será "a Copa das Copas" e que os estrangeiros não terão problemas no País. "Podem vir ao Brasil. Vocês serão recebidos de braços abertos", disse.

Dilma, porém, recusou-se a responder perguntas dos jornalistas sobre a situação do estádio de Curitiba para a Copa do Mundo, a Arena da Baixada, que está ameaçado de ser retirado do torneio em razão dos atrasos nas obras. A orientação da Fifa era de que nem ela e nem Blatter aceitariam perguntas.

Em uma iniciativa coreografada, Dilma e Blatter se deram as mãos, sorriram e trocaram elogios mútuos. "Essa será uma grande Copa", afirmou Blatter, que apenas há duas semanas havia dito que nunca havia visto um país-sede tão atrasado na preparação para o torneio.

Nesta quinta-feira, no entanto, as críticas foram deixadas de lado pelo presidente da Fifa. "Não haverá problemas. No final tudo se resolve, principalmente no Brasil", disse Blatter.

Dilma também deu suas garantias de que o Mundial será um sucesso no Brasil, repetindo que esta será a "Copa das Copas". "Estamos preparados. O governo terá todo o empenho para que essa seja a Copa das Copas", insistiu.

Esta foi a primeira vez que a presidente do Brasil visitou a sede da entidade mais poderosa do futebol mundial. Um dos objetivos da reunião foi o de mostrar que o Brasil estará pronto para a Copa do Mundo.

Mas o encontro que estava marcado para as 15 horas (horário local) acabou sendo adiado porque Dilma se atrasou, fazendo a Fifa esperar. Tanto ela quanto Blatter tentaram apresentar um clima de paz e de cordialidade, para mostrar união pelo sucesso da realização do Mundial, marcado para os meses de junho e julho no Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.