Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Dinamarca questiona VAR e reclama de falta não marcada antes de lance de pênalti

Dinamarqueses ficam na bronca com a arbitragem após 1 a 1 com Austrália

Estadão Conteúdo

21 Junho 2018 | 15h42

O meio-campista Christian Eriksen saiu do empate por 1 a 1 entre Dinamarca e Austrália, nesta quinta-feira, em Samara, descontente com o uso do VAR. De acordo com o meia dinamarquês, que abriu o placar da partida, houve uma falta não marcada pouco antes do gol de pênalti que decretou a igualdade, e que foi assinalado após consulta ao árbitro de vídeo.

+ TEMPO REAL - Dinamarca 1 x 1 Austrália

+ França vence com gol de Mbappé, garante classificação e elimina seleção peruana

"Depois de hoje, posso dizer que não gosto do sistema", disse Eriksen após o apito final. "Duas partidas seguidas contra a gente. Se usa o VAR para pênaltis, tem de usar para faltas também. Era para o árbitro ter marcado uma no (Yussuf) Poulsen antes penalidade. Muito amargo isso", reclamou o jogador.

Contra o Peru, na vitória da Dinamarca por 1 a 0, no último sábado, em Saransk, um lance envolvendo Poulsen foi revisado pelo VAR e o pênalti foi marcado, mas Cueva chutou para fora. O jogador não teve a mesma sorte contra a Austrália, já que de novo ele foi o autor da penalidade, em lance de mão na bola ratificado pelo árbitro de vídeo, e Mile Jedinak marcou o gol.

"Estou odiando bastante. Nenhum dos pênaltis teria sido marcado. Prefiro não ficar falando muito sobre isso porque não tem volta", queixou-se o atacante, que fez o gol da vitória da Dinamarca sobre o Peru. Por causa dos pênaltis, Poulsen tomou um cartão amarelo em cada lance e está suspenso para a última partida da Dinamarca no Grupo C, contra a França, às 11 horas (de Brasília) da próxima terça-feira, no Estádio Luzhniki, em Moscou.

 

Técnico da Dinamarca, Age Hareide reclamou de pênalti não marcado em Andreas Cornelius, que entrou no segundo tempo. "Ele foi puxado pela camisa, todo mundo viu", afirmou. O treinador, porém, está satisfeito com a situação da seleção dele no Grupo C. "Posso dizer que estou muito feliz com esses quatro pontos", disse ele, que agora depende de um empate de sua equipe, contra a França, para garantir vaga nas oitavas de final.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.