Diretoria briga no tribunal pela volta de David

O Palmeiras aguarda a Justiça para saber se vai conseguir reaver os direitos econômicos do zagueiro David, que em janeiro deixou o Palestra Itália para fechar com o Panathinaikos, da Grécia. Amanhã, uma nova audiência no Tribunal de Justiça de São Paulo analisará o caso.Na segunda-feira, a juíza ouviu depoimentos de ambas as partes e de testemunhas - o zagueiro foi representado por seu advogado. Como o julgamento está em primeira instância, ainda caberá recurso da decisão.Para se desligar do Palmeiras, David conseguiu liminar na Justiça do Trabalho e a ação só está sendo julgada agora. O atleta diz que no ano passado foi coagido a assinar um contrato de gaveta (até 2010) e que o documento não tem validade. Em janeiro, após um período parado por contusão, fechou com o clube grego até 2013. No mês passado, foi emprestado ao Flamengo.O Palmeiras alega quebra de vínculo e abandono de trabalho. Quer a volta do jogador ou o pagamento da multa contratual, de R$ 30 milhões. "Se a juíza considerar que o contrato é válido, a consequência será a volta dele", disse Savério Orlandi, diretor de futebol. "Fizemos também um pedido alternativo, caso o resultado não seja favorável: que nos paguem a multa."Apesar da confiança na vitória, Orlandi teme por um detalhe. "A Justiça do Trabalho não está muito familiarizada com a Lei Pelé", diz o cartola.O Palmeiras também entrou com uma ação na Fifa contra o Panathinaikos e espera indenização.A diretoria do Palmeiras conseguiu a prorrogação do empréstimo do atacante Ortigoza, do Sol América, até dezembro. O contrato inicial vencia em julho e, sem dinheiro para comprar os direitos federativos (cerca de R$ 3,7 milhões), o Palmeiras conseguiu um novo empréstimo até 10 de outubro. Agora, convenceu os paraguaios de que o atacante vai se valorizar se ficar até o fim do Brasileiro. Já a situação de Vágner Love está cada vez mais complicada e dificilmente ele se desligará do CSKA.Hoje, a diretoria do Palmeiras apresenta o uniforme número 3, azul, em homenagem à seleção da Itália. A camisa verde-limão, sucesso de vendas desde seu lançamento, em 2007, foi aposentada.

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

20 de agosto de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.