Diretoria busca agora reconstruir o elenco

Além de Ronaldo, Tite perdeu William, Elias e Roberto Carlos. Bruno César, encostado, também pode sair

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2011 | 00h00

A diretoria e os jogadores do Corinthians não imaginavam que iriam enfrentar em meados de fevereiro a eliminação da Taça Libertadores, a saída de Roberto Carlos, a aposentadoria de Ronaldo e uma campanha que não entusiasma no Paulista.

A saída de Ronaldo é apenas um dos problemas do técnico Tite, que busca rearmar a equipe. Cinco são as alterações de 2010: além do Fenômeno, Elias foi vendido para o Atlético de Madrid, Roberto Carlos vai jogar na Rússia, William também se aposentou e Bruno César, fora de forma, bateu boca com o presidente Andrés Sanches e, encostado, dificilmente voltará a vestir a camisa alvinegra.

As soluções imediatas para Tite não estão correspondendo dentro de campo. Fábio Santos e Marcelo Oliveira, juntos, não conseguem chegar aos pés do desempenho do veterano lateral-esquerdo.

A vaga do ex-capitão William também segue aberta. Leandro Castan é o titular, mas não tem agradado. Os jovens Wallace, contratado junto ao Vitória-BA, e Diego, formado nas divisões de base, que retornou de empréstimo ao Ceará, são outras opções para o setor defensivo. Paulo André segue machucado.

O meio, apontado ano passado como o melhor do País, sem Elias e Bruno César ficou lento e sem criatividade, com a entrada do peruano Ramirez e de Danilo.

Já no ataque, se a ausência de Ronaldo será sempre sentida, a contratação de Liedson foi, até agora, o único motivo de festa para a Fiel. Rápido, finalizador, o ex-jogador do Sporting pode fazer os gols que o time precisa. O problema é que falta um meia para arquitetar as jogadas. Danilo, definitivamente, não é a melhor opção. Morais pode ganhar logo a vaga, pois tem entrado bem.

Com o mercado europeu fechado para negociações, a diretoria busca reforços nacionais. Andrezinho, meia do Internacional, é o alvo para o lugar de Bruno César, que poderá se transferir para o Vasco. A vinda de um zagueiro também é prioridade. Cris, que está no Lyon, chegou a conversar com Andrés, mas não conseguiu quebrar seu vínculo com o clube francês.

Delírio. Os mais deslumbrados sonham com uma interferência de Ronaldo na tentativa de trazer Paulo Henrique Ganso da Vila Belmiro. Estratégia que quase ninguém acredita no Parque São Jorge. Adriano também é indicado pelo Fenômeno.

O certo é que o Corinthians começou 2011 com o sonho de conquistar pela primeira vez a Libertadores e se mostra ainda no primeiro semestre a quarta força do estado, atrás de seus principais rivais. Os mais pessimistas no clube não querem imaginar que a equipe possa entrar para a disputa do Campeonato Brasileiro como apenas uma coadjuvante ou, até pior, como uma das candidatas ao rebaixamento para a Série B. É preciso que os reforços venham. E logo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.