Dirigente busca recursos para atletas

O Pará é o único Estado com uma mulher na presidência da Federação de Atletismo. E na mesmo proporção em que Sandra Maria Souza Malcher se mostra animada com a descoberta de talentos entre a criançada que mora ao redor de Belém, também fala das dificuldades que os garotos encontram para ir treinar. Apenas com o Festival de Jovens Talentos, promovido na pista da Escola de Educação Física, conseguiu levar mais de 1.500 crianças em outubro, outras 2.200 em novembro que passaram de 2.600 em dezembro. Crianças aparecem para treinar e competir em Belém vindas de bairros da cidade; de Castanhal, a uma hora de condução; de São Domingos do Capim, a duas horas e até Tucuruí, a seis horas. Até conseguir lanche é possível, mas Sandra conta que a maior dificuldade acaba sendo um paradoxo: como os garotos começam a crescer com o próprio treinamento, passam a ser proibidos de "passar por baixo da roleta" nos ônibus e acabam parando por falta de dinheiro do transporte. Assim, a luta agora da dirigente é conseguir - talvez mesmo com a própria Caixa, como observa, patrocinadora da Confederação Brasileira de Atletismo (ou com o governo do Estado, que apenas com o meeting de Belém gasta quase R$ 1,6 dos cerca de R$ 1,8 milhão) - recursos para tocar os projetos com as crianças no esporte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.