Dirigente da Fifa diz que árbitros acertaram em mais de 90%

O presidente da Comissão de Árbitros da Fifa, o espanhol Angel Villar, afirmou nesta sexta-feira que os árbitros têm acertado em mais de 90% de suas decisões e considerou que suas atuações, até agora, na Alemanha têm sido "muito melhor do que foi há quatro anos na Coréia e no Japão". "Excluindo umas duas ou três arbitragens com erros, tenho que dizer que o resto tem sido extraordinário e como presidente da Comissão me sinto muito satisfeito", disse Villar durante uma coletiva de imprensa nesta sexta.O presidente da Federação Espanhola reconheceu o erro do árbitro inglês Graham Poll, que deu três cartões amarelos para o croata Josip Simunic e não o expulsou quando mostrou o segundo, e tentou justificar que se os árbitros cometeram algum erro "foi porque são humanos e, como os jogadores e técnicos, não são infalíveis".Questionado a respeito das declarações do presidente da Fifa, Joseph Blatter, que afirmou que quem deveria ter recebido um cartão amarelo era o árbitro russo Valentin Ivanov devido à sua atuação no jogo entre Portugal e Holanda, no qual o árbitro distribuiu 16 cartões, quatro deles vermelhos, Villar fez uma defesa ferrenha do árbitro russo."Não vou comentar as declarações de Blatter, mas posso assegurar que Ivanov apitou o que viu e deu os cartões que acreditava que devia mostrar. É um excelente árbitro, que tem uma grande preparação e experiência", afirmou Villar. Em termos semelhantes aos de Ivanov, o presidente da comissão se referiu a Graham Poll. "Ele é um grande profissional que cometeu um erro, como pode acontecer com qualquer outro, mas espero que ele continue por muito tempo ainda na arbitragem".Villar também revelou que na despedida dos árbitros que não continuarão na Copa, Poll recebeu uma grande ovação de seus companheiros. "Nos oito anos que venho presidindo esta comissão, eu nunca tinha visto nada igual".O vice-presidente da Fifa explicou que a introdução do vídeo para consultar as jogadas duvidosas é de competência da International Board (órgão encarregado pela modificação das regras do jogo), mas duvidou que o processo vá se implantar em breve "porque o mais importante é que não haja demoras nas decisões dos árbitros".Em compensação, revelou que o projeto de uma bola com chip para detectar quando esta passa da linha do gol está muito adiantado. Mas descartou que o projeto se torne realidade em curto prazo.Outro grande acerto deste Mundial, segundo Villar, é a compenetração dos árbitros. "São trios que levam muito tempo trabalhando juntos e se entendem perfeitamente, não é como antes quando o árbitro podia ser da Espanha e o assistente da Nova Zelândia. Outro êxito foi a implementação de microfones e pontos auriculares para os ajudarem".Villar reconheceu que o trabalho de um árbitro está ficando cada dia mais difícil porque "os jogadores buscam sempre o melhor para sua equipe e isso significa também que mentem, simulam lesões e, desde sempre, caem facilmente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.