Dirigente do Goiás imagina: ''Água no chope do São Paulo''

Antes de embarcar para Brasília, os jogadores do Goiás ganharam uma previsão um tanto gaiata de Hailé Selassié Pinheiro, presidente do Conselho Deliberativo: "Estou com uma expectativa muito boa em relação ao jogo contra o São Paulo", disse um dos fundadores do time. "Vamos colocar água no chope deles", imagina. "O Fluminense colocou um pouco e nós vamos colocar o resto."O Goiás continua a lucrar com o duelo de amanhã. Além de faturar alto na bilheteria - em torno de R$ 2,7 milhões -, ganhou alívio de caixa de R$ 6 milhões do laboratório Neo-Química, que assinou contrato para 2009 mas válido a partir do momento em que pisar no gramado do Bezerrão. Também vai faturar, no jogo de encerramento da temporada, entre R$ 200 mil e R$ 350 mil do Banco Regional de Brasília. O dinheiro em caixa, a renovação de contratos e o clima descontraído de quem nada tem a perder neste final de semana fizeram bem ao grupo. Pelo menos no treino de ontem, a equipe jogou solta e pra frente. O ala Vitor deu o tom da descontração: "Fala-se de dívidas do Goiás com o Grêmio", recordou. "Não devemos nada, embora os jogadores do Grêmio tenham honrado a camisa no final do ano passado", ponderou. "Contra o São Paulo, vamos fazer o mesmo, honrar a nossa camisa."Indiferente a tudo, o técnico Hélio dos Anjos sustentou o clima de suspense em torno da escalação. No entanto, manteve o atacante Fausto na posição de Iarley (suspenso), enquanto garantia um lugar para o meia Romerito entre os reservas. O time principal treinou assim no começo da tarde de ontem: Harlei; Ernando, Henrique, Rafael Marques e Thiago Feltri; Vitor, Fahel, Ramalho e Júlio César; Paulo Baier e Fausto.O Goiás dormiu ontem em Brasília e tem previsto para hoje pela manhã o tradicional treino de reconhecimento do gramado do Bezerrão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.