Dirigente é ameaçado de morte por caso Armstrong

O chefe da Agência Antidoping Norte-Americana (Usada, na sigla em inglês) disse que recebeu ameaças de morte em razão da investigação contra Lance Armstrong. Em uma entrevista publicada nesta segunda-feira no diário esportivo francês L''Equipe, o diretor executivo da USADA, Travis Tygart, indicou que o "o caso Armstrong provocou ameaças de morte contra mim" e disse que recebeu três ameaças de pessoas diferentes.

AE, Agência Estado

24 de setembro de 2012 | 11h45

Armstrong decidiu em agosto não apelar das acusações da Usada de que utilizou substâncias proibidas para melhorar o seu rendimento no período em que venceu a Volta da França sete vezes, entre 1999 e 2005. A agência retirou os seus títulos e o baniu do esporte. "O caso Armstrong provocou ameaças de morte contra mim. Recebi três, de iniciativas individuais, creio", disse Tygart.

O dirigente garantiu ter conversado com Armstrong e sugeriu que a punição seria menos severa se o atleta tivesse contribuído com a investigação. "Propus buscar uma solução, colaborar. Se tivesse aceitado, não teria perdido todos os seus títulos da Volta da França porque teríamos levado em conta sua boa vontade. No dia seguinte, nos atacou através da justiça", afirmou.

A União Ciclística Internacional (UCI) não ratificou a decisão da Usada de retirar de Armstrong os títulos da Volta da França, e disse que primeiro precisa ver as provas para tomar uma decisão. Tygart afirmou que a agência entregará os arquivos para a UCI no fim do mês.

Tudo o que sabemos sobre:
ciclismoUSADALance Armstrongdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.