Alberto Pizzoli/AFP
Alberto Pizzoli/AFP

Dirigente afirma que Campeonato Italiano pode ser retomado entre maio e junho

Gabriele Gravina, presidente da Federação Italiana, disse que desenvolveu um protocolo de saúde "rigoroso e cuidadoso" que entregará ao governo para retomar a competição em breve

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2020 | 14h27

O futebol na Itália, paralisado há cerca de 45 dias por causa da pandemia do novo coronavírus, poderá ser retomado entre maio e junho. Nesta sexta-feira, o presidente da Federação Italiana de Futebol (FIGC, na sigla em italiano), Gabriele Gravina, revelou que desenvolveu um protocolo de saúde "rigoroso e cuidadoso" que entregará ao governo para retomar o Campeonato Italiano em breve. Em uma entrevista ao canal de TV italiano RAI, Gravina disse que "compartilha" da esperança do ministro do Esporte do país, Vincenzo Spadafora, de poder recomeçar o futebol entre o fim de maio e o começo de junho, mas com "toda a devida cautela e garantia".

"Desenvolvemos um protocolo de saúde rigoroso e cuidadoso, mas flexível, que entregaremos aos ministros Spadafora (Esporte) e Roberto Speranza (Saúde) amanhã (sábado). Três semanas de segurança serão necessárias para que no fim de maio e no início de junho (a liga italiana) possa começar", disse Gravina.

De acordo com o presidente da FIGC, haverá um período de análise para garantir a segurança de todos os participantes dos eventos. "Se todos os envolvidos são negativos (para a covid-19), não há problema de distanciamento ou contagiosidade. Levará três semanas de segurança para que você possa começar no fim de maio e no início de junho", completou.

Os treinamentos das equipes, de acordo com as últimas declarações do ministro Vincenzo Spadafora, devem começar novamente em 4 de maio, mas ainda faltam garantias sobre como eles poderão observar na prática os novos protocolos de segurança. Sobre estádios, Gravina abriu a possibilidade de campos neutros. "Espero que todos possam jogar em seu próprio estádio. Se não for possível, encontraremos soluções alternativas", afirmou o dirigente que comentou ainda esperar concluir a Copa da Itália, que está na fase semifinal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.