Dirigentes mentiram para garantir Semenya no Mundial

Uma investigação revelou nesta quinta-feira que dirigentes da Federação de Atletismo da África do Sul recorreram à mentiras e à ameaças para assegurar que Caster Semenya fosse autorizada a participar do Mundial de Berlim, realizado em 2009, após questionamentos sobre seu gênero.

AE-AP, Agência Estado

17 de fevereiro de 2011 | 12h30

A informação foi incluída nesta quinta-feira nos documentos mostrados pelo Comitê Olímpico Sul-Africano para justificar um anúncio feito no início desta semana de que investigações haviam determinado que Leonard Chuene, presidente suspenso da Federação de Atletismo da África do Sul, era culpado de apropriação indébita de recursos, sonegação de impostos e outros crimes.

O advogado Norman Arendse conduziu a investigação. Ele avaliou a conduta de Chuene como "inaceitável" e disse que isto violou a dignidade de Semenya, campeão mundial dos 800 metros rasos. A atleta evitou fazer comentários sobre o assunto. "Não me preocupa. Eu sou apenas uma atleta".

Antes da final dos 800 metros, foi revelado que a corredora, então com 18 anos, realizou testes de gênero. Embora os resultados do teste não tenham sido revelados, a sul-africana foi liberada para correr no ano passado pela Federação Internacional das Associações de Atletismo (Iaaf, na sigla em inglês) e tem competido desde então.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoÁfrica do SulCaster Semenya

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.