Discreto nos últimos jogos, Lucas quer brilhar

Desequilibrar e resolver jogos se transformou em uma rotina para Lucas desde que ele virou profissional. Não à toa, o garoto virou a principal esperança dos torcedores por lances diferentes e capazes de sair do lugar comum. Nos últimos dois jogos, no entanto, não conseguiu repetir as grandes atuações que fizeram o Paris Saint-Germain gastar 43 milhões para tirá-lo do Morumbi em janeiro e teve participações discretas contra Cruzeiro e LDU de Loja, do Equador.

O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2012 | 03h01

Quem conhece Lucas, no entanto, sabe que a baixa produtividade em nada tem a ver com a negociação recorde com o futebol europeu e foram apenas jornadas menos inspiradas. Sem mais uma vez contar com o lesionado Luis Fabiano, a responsabilidade de armar os contra-ataques e criar as melhores situações de gol recai sobre ele.

Se conseguir repetir parte do que desempenhou no primeiro turno, as expectativas podem ser altas. Na partida que marcou sua despedida antes de integrar a seleção olímpica, Lucas foi um dos principais nomes em campo na vitória por 3 a 1 contra o Coritiba no Morumbi, com jogadas que levantaram a torcida e renderam muitos aplausos. Ele contará com a parceria do atacante Osvaldo, que vem dando conta do recado com gols e assistências.

Desfalque. Por sinal, a seleção voltará a tirá-lo do Tricolor nas partidas contra o Vasco, rival direto por uma briga no G-4, e o Figueirense. Alheio à irritação da diretoria em ter de abrir mão de seu talento em um momento crucial da competição, ele comemora o reconhecimento e garante que mesmo à distância estará de olho nos companheiros. "De onde eu estiver estarei torcendo para os meus companheiros de clube. O Campeonato Brasileiro está chegando na reta final e temos a capacidade de conquistar os objetivos que traçamos para esse ano."

Mesmo quando não brilha, sua importância para a equipe está traduzida nos números. Com Lucas em campo, o Tricolor conquistou 69% dos pontos que disputou no campeonato. Sem ele, o porcentual cai para 38%. Ele também já marcou 11 gols e é o terceiro na lista de artilheiros do clube, atrás apenas de Luis Fabiano e Willian José.

No entanto, Lucas não marca um gol desde a vitória sobre o Botafogo, há um mês. Uma motivação a mais para entrar em campo, apagar os dois últimos jogos e voltar a ser o jogador que deixou a torcida mal acostumada com exibições acima da média. / F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.