Disputa foi realizada em ambiente tranqüilo

A paz prevaleceu antes da eleição. Ao contrário de outras reuniões do Conselho Deliberativo, desta vez não houve confusão na escolha do substituto de Alberto Dualib. Mesmo assim a segurança foi reforçada no clube. Além dos 60 seguranças contratados pelo Corinthians, estiveram no local 12 carros da Polícia Militar e mais três do Deic.O candidato Osmar Stábile foi o primeiro a chegar. Apareceu no clube às 17h45 e fez questão de ficar na porta por onde os conselheiros, ou eleitores da noite, tinham de passar. Cumprimentou a todos. Ciente de sua inferioridade na prévia eleitoral, desembolsou R$ 200,00 para contratar uma agência de eventos que contratou duas moças para fazer propaganda.Logo depois, às 18h30, apareceu Andrés Sanches. Acompanhado de Mario Gobbi, o idealizador do grupo Renovação & Transparência, e mais seis cabos eleitorais. Pouco falou, preferindo se concentrar. ''''Se ganhar, vou estar às 8 horas da manhã aqui, trabalhando.''''Por último, às 19h15, ao lado de seu pai, Damião, Paulo Garcia surgiu, sorridente e esperançoso. ''''Vai ser uma eleição bastante apertada e espero receber um voto a mais do que o segundo colocado'''', discursou, sem não antes frisar que era contra a eleição. ''''Sempre quis o consenso.''''Das celebridades esperadas para o evento, apenas o ex-governador de São Paulo Luiz Antônio Fleury Filho, a ex-jogadora de basquete Hortência e o ex-jogador Biro Biro foram ao Parque São Jorge. Alberto Dualib e Nesi Curi não apareceram, mas a ex-presidente Marlene Matheus foi à votação.

O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.