Jonathan Ferrey/AFP
Jonathan Ferrey/AFP

Dixon conta com sorte, ganha em Sonoma e é tetracampeão na Indy

Neozelandês se beneficia de problemas com Montoya e Rahal

Estadão Conteúdo

30 de agosto de 2015 | 21h21

Deu tudo certo para o neozelandês Scott Dixon na etapa de Sonoma neste domingo. O piloto da Ganassi se beneficiou de problemas com o colombiano Juan Pablo Montoya e com o norte-americano Graham Rahal, venceu a corrida e garantiu o seu quarto título da Fórmula Indy.

Dixon fechou a temporada com os mesmos 556 pontos de Montoya. No entanto, teve uma vitória a mais que o adversário da Penske e por isso ficou com o título. "Ainda havia uma chance e essa era minha expectativa", comentou Dixon sobre a prova que valia pontuação dobrada. "Não sei nem o que dizer. Tivemos grandes corridas nessa temporada e essa foi a mais emocionante de todas. Nós acreditamos até o final", comemorou.

Depois de liderar a competição durante toda a temporada, Montoya deu azar de tocar em Will Power e precisou de uma parada a mais nos boxes para trocar o bico do carro. A partir de então, ele correu contra o tempo para não perder a ponta da tabela. Nas últimas cinco voltas, quase decolou nas curvas para tentar ultrapassar Ryan Briscoe, o quinto colocado, mas não conseguiu. Era o que precisava para assegurar o título. No entanto, para sorte de Dixon, a diferença de um para o outro era grande e as posições foram mantidas. Rahal viu sua chance de título ir para o espaço quando foi acertado por Sebastién Bourdais a 12 voltas do fim.

O norte-americano Ryan Hunter-Reay terminou em segundo lugar e o compatriota Charlie Kimball fechou o pódio. A quarta colocação ficou com o brasileiro Tony Kanaan, que não tinha mais chances de brigar pelo título. Helio Castroneves, que ainda mantinha uma pequena esperança de faturar o troféu inédito em sua carreira, não teve um bom final de semana. Largou em 15º, errou na estratégia para a corrida e terminou na mesma posição de saída.

O sétimo lugar ficou com o australiano Will Power, que chegou para a última etapa com possibilidades de ser campeão, mas também não deu sorte. A oitava colocação foi do japonês Takuma Sato, seguido pelo venezuelano Rodolfo Gonzalez. O russo Mikhail Aleshin fechou o Top 10.

100 VITÓRIAS

A conquista de Dixon teve um sabor mais especial para a equipe Chip Ganassi, que, com o título, chegou à centésima vitória na Fórmula Indy. É a segunda escuderia que alcança essa marca. Fica atrás apenas da Penske, que tem 178 triunfos.

Fundada em 1990, a Ganassi já conquistou dez campeonatos e venceu quatro vezes as 500 Milhas de Indianápolis, prova mais tradicional da competição. Mas para consolidar-se entre as principais equipes da categoria precisou de tempo. A primeira vitória de uma etapa veio somente após quatro temporadas. Michael Andretti ficou em primeiro lugar na etapa da Austrália, em março de 1994.

Já Dixon garantiu o tetra com a 38ª vitória na carreira. Ele já havia sido campeão em 2003, 2008 e 2013. A primeira vez que subiu no degrau mais alto do pódio, no entanto, tem 14 anos. Foi em 2001, na etapa de Nazareth, pela PacWest Racing. O neozelandês está a uma conquista de igualar Al Unser (39), o quarto piloto que mais venceu na categoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.