Djokovic perde na Justiça, é deportado e está fora do Aberto da Austrália

Horas após a decisão do Tribunal do Circuito Federal de Melbourne, tenista sérvio, número 1 do mundo, deixa o território australiano com destino a Dubai: 'Extremamente decepcionado'

Ricardo Magatti e Júnior Moreira Bordalo - O Estado de S.Paulo

O Tribunal do Circuito Federal de Melbourne decidiu por unanimidade na madrugada deste domingo, 16 (tarde na Austrália), pela deportação de Novak Djokovic em decorrência de o tenista não ter sido vacinado contra a covid-19, e deu fim à novela que se arrastava desde os primeiros dias do ano. Dessa forma, o número 1 do mundo não poderá jogar o Aberto da Austrália, primeiro Grand Slam da temporada. Horas após a decisão da Justiça, como não reverteu o cancelamento de seu visto, o tenista encaminhou a sua saída do território australiano com destino a Dubai.

Em comunicado enviado à imprensa, Djokovic disse estar "extremamente decepcionado" com a decisão e desejou um bom torneio aos jogadores, torcedores e organizadores do Aberto. Apesar de estar desclassificado do Grand Slam, o sérvio não mostrou estar arrependido pela postura que adotou nas últimas semanas, mas afirmou que respeita a decisão da Justiça.

Djokovic perdeu na Justiça direito de disputar o Aberto da Austrália e será deportado Foto: Brando Malone/AFP

“Estou extremamente decepcionado com a decisão da Corte em negar meu recurso. Respeito a decisão do Tribunal e vou cooperar com as autoridades para deixar o país. Me incomoda que o foco nas últimas semanas tenha sido em mim e espero que agora o foco seja no jogo e no torneio que mais amo. Desejo aos jogadores, ao torneio, ao staff, aos oficiais e aos fãs o melhor torneio", disse o tenista. 

Continua após a publicidade

A informação de que o sérvio embarcou foi confirmada por Alex Hawke, ministro da Imigração australiano. “Satisfaço-me com a decisão unânime do Tribunal Federal da Austrália, confirmando minha decisão de exercer meu poder sob a Lei de Migração para cancelar o visto do Sr. Novak Djokovic por interesse público. Posso confirmar que o Sr. Djokovic já partiu da Austrália”, escreveu Hawke nas redes sociais.

No julgamento, a decisão pelo indeferimento do pedido de reintegração do visto do atleta foi lida pelo presidente do tribunal, James Allsop. O colegiado esteve completo, isto é, contou com os votos de outros dois juízes federais, David O'Callaghan e Anthony Besanko. A audiência foi realizada virtualmente e transmitida ao vivo no canal da corte australiana no YouTube. O julgamento teve início às 9h30 de domingo, pelo horário local, (19h30 de sábado pelo horário de Brasília) e foi concluído após mais de 9 horas. A decisão do tribunal é definitiva. Portanto, não cabem mais recursos e, por isso, o líder do ranking da ATP precisou deixar a Austrália.

A partir de agora, o tenista enfrenta uma proibição de três anos para retornar ao país, exceto em certas ocasiões, que podem incluir “circunstâncias convincentes que afetam os interesses da Austrália”. Allsop explicou ainda que o veredito não refletiu “no mérito ou sabedoria da decisão” e que o raciocínio completo que motivou a decisão será divulgado nos próximos dias. Os juízes consideraram que Djokovic representa um risco para a população australiana, violou diretrizes de isolamento e prestou falsas declarações.

Repercussão da decisão

Além do próprio tenista, a ATP (Professional Tennis Association) descreveu a deportação de Novak Djokovic pelo governo australiano como "o fim de uma série de acontecimentos profundamente tristes", definiu o jogador sérvio como "um dos nossos maiores campeões" e alertou que "as decisões das autoridades legais em matéria de saúde pública devem ser respeitadas".

"A decisão de hoje de manter o cancelamento do visto de Novak Djokovic na Austrália marca o fim de uma série de eventos profundamente tristes. Em última análise, as decisões das autoridades legais em matéria de saúde pública devem ser respeitadas. e aprender com essa situação", diz a ATP em comunicado oficial.

O presidente sérvio, Aleksandar Vucic, disse neste domingo que o tenista foi maltratado em uma "caça às bruxas", que se assemelhava a um show no estilo "orwelliano" (em referência ao escritor George Orwell).

"Vocês não humilharam Djokovic, mas humilharam a si mesmos", disse Vucic, referindo-se às autoridades de imigração da Austrália. "Maltrataram um jogador de tênis por dez dias para finalmente dar a ele uma decisão cujo conteúdo eles conheciam desde o primeiro dia", afirmou o presidente sérvio.

Como foi o julgamento

A Justiça australiana analisou em sessão emergencial o recurso perpetrado pela defesa de Djokovic à decisão do ministro de Imigração, Alex Hawke, que cancelou o visto do tenista alegando que ele era uma ameaça à ordem pública no país, por estimular um sentimento antivacina.

Antes da audiência, Djokovic permaneceu detido no hotel Park Hotel, onde estava hospedado, após ter o seu visto cancelado por Hawke, pela segunda vez desde que o jogador havia desembarcado em Melbourne, há 10 dias.

Fora do Aberto da Austrália, Djokovic vê patrocínio com a Lacoste em xeque Foto: Ben Solomon/The New York Times

Djokovic deixou o centro de detenção a caminho do escritório de advocacia do tenista, onde era vigiado por agentes da Imigração, 35 minutos antes da audiência. Um comboio de veículos o escoltou até o local.

Na semana passada, o sérvio de 34 anos ficou detido por cinco dias no centro de detenção de imigrantes até que seus advogados conseguiram por meio da Justiça reverter uma primeira expulsão da Austrália e liberá-lo para treinar.

O caso foi parar nas mãos de um tribunal federal porque Antony Kelly, juiz do estado australiano de Victoria encarregado de examinar o recurso de Djokovic contra o cancelamento de seu visto, se declarou incompetente. Essa mudança retardaria o procedimento, estimara sua defesa.

O ministro da Imigração da Austrália, Alex Hawke, afirmou que a presença de Djokovic no país da Oceania pode "encorajar o sentimento antivacina" e causar "agitação social", razões pelas quais solicitou a sua expulsão. Stephen Lloyd, que representou o Ministério da Imigração, argumentou que "nunca houve material apresentado ou qualquer alegação de que Djokovic tinha motivo médico para não ser vacinado".

Entretanto, a defesa do tenista, que não se vacinou contra a covid-19 e se opõe à imunização obrigatória, diz que os argumentos da Imigração são irracionais e prejudicam "um homem de grande reputação" que tem uma boa razão médica para não ser vacinado. Os advogados alegam que o tenista não poderia se vacinar por ter contraído o vírus em dezembro.

Em sua argumentação, o advogado de Djokovic, Nick Wood, disse que o que pode estimular o movimento antivacinação e protestos, na verdade, seria a decisão de deportar o tenista sérvio. Também classificou como "algo perverso" da parte do governo australiano alegar que a presença do atleta traz risco à saúde pública.

Djokovic dentro do carro após deixar o hotel em que ficou detido Foto: Loren Elliott/Reuters

O caso tem repercussões de longo prazo para o número um do mundo, que está banido da Austrália por três anos. Além disso, é um duro revés esportivo, uma vez que ele perdeu a oportunidade de brigar pelo décimo título em Melbourne e pela 21ª conquista em Grand Slam. Se a taça viesse, ele se tornaria o maior recordista da história - hoje, divide o posto com Rafael Nadal e Roger Federer.

O interesse esportivo do primeiro Grand Slam do ano foi ofuscado pela controvérsia envolvendo Djokovic que se tornou uma saga judicial assim que o atleta se consolidou como uma das referências mundiais antivacina. Ele só conseguiu desembarcar na Austrália na última semana porque portava uma isenção médica especial com a qual não era necessária a comprovação da imunização contra a covid-19, requisito obrigatório para entrar no país. Depois, porém, foi barrado no aeroporto após as autoridades não considerarem o documento válido e ficou retido em um hotel de imigração.

Enxurrada de críticas

Grande parte dos tenistas se posicionou de forma contrária ao comportamento antivacina de Djokovic, que recebeu uma enxurrada de críticas, algumas um tanto quanto contundentes. Rafael Nadal, por exemplo, afirmou que "não há jogador na história que seja mais importante do que um evento". "Cada um escolhe seu caminho. Respeito Novak como pessoa, claro, e como atleta, sem dúvida, mesmo não concordando com muitas coisas que ele fez nas últimas semanas", completou o espanhol.

Já o grego Stefanos Tsitsipas afirmou que Djokovic faz parte de "uma pequena minoria que escolhe seguir o próprio caminho" e isso faz a maioria dos tenistas "parecer tolos". Segundo a ATP, apenas 3 entre os 100 melhores tenistas do ranking não estariam vacinados até o momento.

O caso sobre a entrada do tenista no país coincide com um pico no número de contágios na Austrália ligados à variante Ômicron do coronavírus.

A Austrália, que implementou uma das políticas mais duras no combate à pandemia, incluindo o fechamento das fronteiras internacionais durante mais de 18 meses, só permite a entrada de estrangeiros com o ciclo vacinal completo ou com uma isenção médica para casos muito específicos.

Djokovic, 34 anos, atual campeão do Aberto da Austrália, foi incluído no sorteio das chaves para o torneio como principal cabeça de chave e deveria enfrentar na estreia o compatriota Miomir Kecmanovic, mas, em vez disso, tem de retornar ao seu país. A sua vaga fica com o russo Andrey Rublev.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Djokovic perde na Justiça, é deportado e está fora do Aberto da Austrália

Horas após a decisão do Tribunal do Circuito Federal de Melbourne, tenista sérvio, número 1 do mundo, deixa o território australiano com destino a Dubai: 'Extremamente decepcionado'

Ricardo Magatti e Júnior Moreira Bordalo - O Estado de S.Paulo

O Tribunal do Circuito Federal de Melbourne decidiu por unanimidade na madrugada deste domingo, 16 (tarde na Austrália), pela deportação de Novak Djokovic em decorrência de o tenista não ter sido vacinado contra a covid-19, e deu fim à novela que se arrastava desde os primeiros dias do ano. Dessa forma, o número 1 do mundo não poderá jogar o Aberto da Austrália, primeiro Grand Slam da temporada. Horas após a decisão da Justiça, como não reverteu o cancelamento de seu visto, o tenista encaminhou a sua saída do território australiano com destino a Dubai.

Em comunicado enviado à imprensa, Djokovic disse estar "extremamente decepcionado" com a decisão e desejou um bom torneio aos jogadores, torcedores e organizadores do Aberto. Apesar de estar desclassificado do Grand Slam, o sérvio não mostrou estar arrependido pela postura que adotou nas últimas semanas, mas afirmou que respeita a decisão da Justiça.

Djokovic perdeu na Justiça direito de disputar o Aberto da Austrália e será deportado Foto: Brando Malone/AFP

“Estou extremamente decepcionado com a decisão da Corte em negar meu recurso. Respeito a decisão do Tribunal e vou cooperar com as autoridades para deixar o país. Me incomoda que o foco nas últimas semanas tenha sido em mim e espero que agora o foco seja no jogo e no torneio que mais amo. Desejo aos jogadores, ao torneio, ao staff, aos oficiais e aos fãs o melhor torneio", disse o tenista. 

Continua após a publicidade

A informação de que o sérvio embarcou foi confirmada por Alex Hawke, ministro da Imigração australiano. “Satisfaço-me com a decisão unânime do Tribunal Federal da Austrália, confirmando minha decisão de exercer meu poder sob a Lei de Migração para cancelar o visto do Sr. Novak Djokovic por interesse público. Posso confirmar que o Sr. Djokovic já partiu da Austrália”, escreveu Hawke nas redes sociais.

No julgamento, a decisão pelo indeferimento do pedido de reintegração do visto do atleta foi lida pelo presidente do tribunal, James Allsop. O colegiado esteve completo, isto é, contou com os votos de outros dois juízes federais, David O'Callaghan e Anthony Besanko. A audiência foi realizada virtualmente e transmitida ao vivo no canal da corte australiana no YouTube. O julgamento teve início às 9h30 de domingo, pelo horário local, (19h30 de sábado pelo horário de Brasília) e foi concluído após mais de 9 horas. A decisão do tribunal é definitiva. Portanto, não cabem mais recursos e, por isso, o líder do ranking da ATP precisou deixar a Austrália.

A partir de agora, o tenista enfrenta uma proibição de três anos para retornar ao país, exceto em certas ocasiões, que podem incluir “circunstâncias convincentes que afetam os interesses da Austrália”. Allsop explicou ainda que o veredito não refletiu “no mérito ou sabedoria da decisão” e que o raciocínio completo que motivou a decisão será divulgado nos próximos dias. Os juízes consideraram que Djokovic representa um risco para a população australiana, violou diretrizes de isolamento e prestou falsas declarações.

Repercussão da decisão

Além do próprio tenista, a ATP (Professional Tennis Association) descreveu a deportação de Novak Djokovic pelo governo australiano como "o fim de uma série de acontecimentos profundamente tristes", definiu o jogador sérvio como "um dos nossos maiores campeões" e alertou que "as decisões das autoridades legais em matéria de saúde pública devem ser respeitadas".

"A decisão de hoje de manter o cancelamento do visto de Novak Djokovic na Austrália marca o fim de uma série de eventos profundamente tristes. Em última análise, as decisões das autoridades legais em matéria de saúde pública devem ser respeitadas. e aprender com essa situação", diz a ATP em comunicado oficial.

O presidente sérvio, Aleksandar Vucic, disse neste domingo que o tenista foi maltratado em uma "caça às bruxas", que se assemelhava a um show no estilo "orwelliano" (em referência ao escritor George Orwell).

"Vocês não humilharam Djokovic, mas humilharam a si mesmos", disse Vucic, referindo-se às autoridades de imigração da Austrália. "Maltrataram um jogador de tênis por dez dias para finalmente dar a ele uma decisão cujo conteúdo eles conheciam desde o primeiro dia", afirmou o presidente sérvio.

Como foi o julgamento

A Justiça australiana analisou em sessão emergencial o recurso perpetrado pela defesa de Djokovic à decisão do ministro de Imigração, Alex Hawke, que cancelou o visto do tenista alegando que ele era uma ameaça à ordem pública no país, por estimular um sentimento antivacina.

Antes da audiência, Djokovic permaneceu detido no hotel Park Hotel, onde estava hospedado, após ter o seu visto cancelado por Hawke, pela segunda vez desde que o jogador havia desembarcado em Melbourne, há 10 dias.

Fora do Aberto da Austrália, Djokovic vê patrocínio com a Lacoste em xeque Foto: Ben Solomon/The New York Times

Djokovic deixou o centro de detenção a caminho do escritório de advocacia do tenista, onde era vigiado por agentes da Imigração, 35 minutos antes da audiência. Um comboio de veículos o escoltou até o local.

Na semana passada, o sérvio de 34 anos ficou detido por cinco dias no centro de detenção de imigrantes até que seus advogados conseguiram por meio da Justiça reverter uma primeira expulsão da Austrália e liberá-lo para treinar.

O caso foi parar nas mãos de um tribunal federal porque Antony Kelly, juiz do estado australiano de Victoria encarregado de examinar o recurso de Djokovic contra o cancelamento de seu visto, se declarou incompetente. Essa mudança retardaria o procedimento, estimara sua defesa.

O ministro da Imigração da Austrália, Alex Hawke, afirmou que a presença de Djokovic no país da Oceania pode "encorajar o sentimento antivacina" e causar "agitação social", razões pelas quais solicitou a sua expulsão. Stephen Lloyd, que representou o Ministério da Imigração, argumentou que "nunca houve material apresentado ou qualquer alegação de que Djokovic tinha motivo médico para não ser vacinado".

Entretanto, a defesa do tenista, que não se vacinou contra a covid-19 e se opõe à imunização obrigatória, diz que os argumentos da Imigração são irracionais e prejudicam "um homem de grande reputação" que tem uma boa razão médica para não ser vacinado. Os advogados alegam que o tenista não poderia se vacinar por ter contraído o vírus em dezembro.

Em sua argumentação, o advogado de Djokovic, Nick Wood, disse que o que pode estimular o movimento antivacinação e protestos, na verdade, seria a decisão de deportar o tenista sérvio. Também classificou como "algo perverso" da parte do governo australiano alegar que a presença do atleta traz risco à saúde pública.

Djokovic dentro do carro após deixar o hotel em que ficou detido Foto: Loren Elliott/Reuters

O caso tem repercussões de longo prazo para o número um do mundo, que está banido da Austrália por três anos. Além disso, é um duro revés esportivo, uma vez que ele perdeu a oportunidade de brigar pelo décimo título em Melbourne e pela 21ª conquista em Grand Slam. Se a taça viesse, ele se tornaria o maior recordista da história - hoje, divide o posto com Rafael Nadal e Roger Federer.

O interesse esportivo do primeiro Grand Slam do ano foi ofuscado pela controvérsia envolvendo Djokovic que se tornou uma saga judicial assim que o atleta se consolidou como uma das referências mundiais antivacina. Ele só conseguiu desembarcar na Austrália na última semana porque portava uma isenção médica especial com a qual não era necessária a comprovação da imunização contra a covid-19, requisito obrigatório para entrar no país. Depois, porém, foi barrado no aeroporto após as autoridades não considerarem o documento válido e ficou retido em um hotel de imigração.

Enxurrada de críticas

Grande parte dos tenistas se posicionou de forma contrária ao comportamento antivacina de Djokovic, que recebeu uma enxurrada de críticas, algumas um tanto quanto contundentes. Rafael Nadal, por exemplo, afirmou que "não há jogador na história que seja mais importante do que um evento". "Cada um escolhe seu caminho. Respeito Novak como pessoa, claro, e como atleta, sem dúvida, mesmo não concordando com muitas coisas que ele fez nas últimas semanas", completou o espanhol.

Já o grego Stefanos Tsitsipas afirmou que Djokovic faz parte de "uma pequena minoria que escolhe seguir o próprio caminho" e isso faz a maioria dos tenistas "parecer tolos". Segundo a ATP, apenas 3 entre os 100 melhores tenistas do ranking não estariam vacinados até o momento.

O caso sobre a entrada do tenista no país coincide com um pico no número de contágios na Austrália ligados à variante Ômicron do coronavírus.

A Austrália, que implementou uma das políticas mais duras no combate à pandemia, incluindo o fechamento das fronteiras internacionais durante mais de 18 meses, só permite a entrada de estrangeiros com o ciclo vacinal completo ou com uma isenção médica para casos muito específicos.

Djokovic, 34 anos, atual campeão do Aberto da Austrália, foi incluído no sorteio das chaves para o torneio como principal cabeça de chave e deveria enfrentar na estreia o compatriota Miomir Kecmanovic, mas, em vez disso, tem de retornar ao seu país. A sua vaga fica com o russo Andrey Rublev.

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.