Doda: amo Athina, não o dinheiro dela

Nem Gustavo Kuerten. Nem Daiane dos Santos. Nem Robert Scheidt. O brasileiro mais popular em Atenas é Álvaro Affonso de Miranda Neto, o Doda, de 31 anos. Talvez muita gente não o conheça na América do Sul, mas em parte da Europa é quase celebridade. Para quem não sabe, trata-se do namorado - ou marido, como já se considera - de Athina Onassis, herdeira da tradicional família grega Onassis. A garota, de 19 anos e cerca de US$ 3 bilhões em fortuna acumulada, é queridíssima no país, embora nem sequer fale o idioma - nasceu na França - e tem sua vida vigiada cuidadosamente pela imprensa local. A obsessão pela menina, criada em meio a turbulentos problemas familiares, parece não ter limites. Todos querem saber dela e, principalmente, do badalado romance com Doda.Os jornalistas gregos, sabendo da presença do brasileiro, fizeram, nos últimos dias, inúmeros pedidos para entrevistá-lo. E o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) o colocou à disposição dos repórteres na manhã desta sexta-feira. A maior questão: Doda é bom moço e realmente ama Athina ou tem interesses secundários? As perguntas mais íntimas foram feitas de forma discreta, depois de muita preparação e algumas voltas, e provocaram certo silêncio na sala.Mas Doda, surpreendentemente, tirou de letra a situação e falou do assunto como se estivesse conversando de futebol, de política, de cinema... "Não estou ao lado da mulher mais rica do mundo, estou ao lado da mulher que amo", declarou. "As pessoas no Brasil já me conhecem, sabem como sou." Afirmou, reiteradamente, que não se importa com o aspecto financeira. "O dinheiro não traz saúde, não traz felicidade, é preciso ajudar as pessoas e viver feliz."E fez questão de contar que não precisa da ajuda de Athina para se sustentar e exercer a profissão. Tem patrocínio de duas empresas fortes, Audi e Visa, e não gasta com o cavalo, o Countdown, com o qual saltará em Atenas, cedido pelo milionário empresário russo da área de gás Alexander Onyshchenko. Em troca, dá a ele 50% do que fatura nas competições. "Abri, também, há quatro meses, uma empresa de telecomunicações com um amigo, mas ainda não posso falar os detalhes", comentou. "Tudo o que consegui até hoje foi com o meu trabalho."Os dois se conheceram na Bélgica, há cerca de dois anos, onde treinavam juntos. A garota, também apaixonada por cavalos, parece estar vivendo, agora, o momento mais tranqüilo de seus 19 anos de história.Neta do bilionário Aristóteles Onassis, enfrentou tragédias como a morte da mãe, Christina, vítima de infarto por overdose de barbitúricos, em 1988, e sofreu com as aventuras do pai, o playboy francês Thierry Roussel, que traiu a mulher por diversas vezes sem nenhum constrangimento. "A gente não pensa muito nos problemas do passado e procura viver o presente, que é ótimo."Doda tem uma filha, Viviane, de quatro anos, gerada na relação com a atriz Sibele Dorsa, que não se adaptou à Bélgica, residência do cavaleiro já há 10 anos, e preferiu retornar ao Brasil em 2002.Viviane vive em Bruxelas, com o pai e Athina, e, segundo Doda, tem excelente convivência com a milionária francesa. "Minha filha ama a Athina, a relação delas é muito legal", observou. "As pessoas confundem muito, queria deixar claro que nunca fui casado (com Sibele Dorsa)."Assédio - Quando será o casamento com Athina? O atleta brasileiro assegurou que não tem planos em breve, pois, entre outros fatores, considera a namorada jovem demais. "Mas a gente já leva uma vida de casado." E matou uma das principais curiosidades dos gregos: a herdeira Onassis estará ou não em Atenas durante a disputa do hipismo nos Jogos? "Ela gostaria, mas achamos melhor não. Aqui, ela não teria tranqüilidade, não poderia desfrutar dos Jogos, porque seria assediada demais pela imprensa", justificou. "Eu também não ficaria sossegado." Doda, no entanto, não descartou completamente a possibilidade de ela aparecer nos últimos dias de provas da modalidade, na semana que vem.A idéia do casal é voltar à Grécia para descansar algumas semanas após a Olimpíada. Antes, no entanto, o megastar brasileiro terá de distribuir autógrafos e satisfazer os gregos, que estarão torcendo por ele a partir deste sábado. "As pessoas têm me assediado de forma educada. Acho que o carinho que o povo tem pela Athina está sendo refletido para mim."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.