Doda busca vaga na equipe de hipismo

O cavaleiro Álvaro Afonso de Miranda Neto, o Doda, segue para a Europa domingo, com o objetivo de provar a si mesmo e à Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) que forma um conjunto consistente com o cavalo Audi San Diego, um alemão hanoverano, de 10 anos, adquirido em 2001. O cavalo já está no haras da família Pessoa, de Neco e Rodrigo, desde o dia 3, em Ligny, Bélgica. Doda quer vaga na equipe do Brasil que vai aos Jogos Eqüestres Mundiais, em setembro, na cidade espanhola de Jerez de la Frontera.O primeiro torneio do ano será o Circuito do Sol, a partir do dia 15. Doda vai usar a camisa amarela da seleção de futebol, no ambiente de competição, como estímulo para que os "torcedores brasileiros acreditem no sucesso do time na Copa".Para o Mundial, Doda acha que Rodrigo Pessoa, com os cavalos Lianos ou Baloubet du Rouet, Bernardo Rezende Alves, com Oberon, e André Johannpeter, com Del Mar ou Calei, devem estar na equipe. Em princípio, na avaliação de Doda, Vítor Alves Teixeira e os cavaleiros Luiz Felipe de Azevedo, pai e filho, não teriam animal para ir ao Mundial. A mulher de Rodrigo, Keri Portter, que se recupera de uma fratura, pode não competir pela vaga."Um novo conjunto depende de regulagem delicada, mas tenho confiança." Doda, de 29 anos, evita críticas, mas acha que a CBH poderia "ser clara" ao divulgar os critérios de seleção para formar a equipe. "Combinar a regra do jogo é o que falta." Acha que torneios fortes, como os de Visbaden, Lucerna, Aachen, Modena e Hamburgo podem ser observatórios.

Agencia Estado,

07 de fevereiro de 2002 | 18h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.