Dois campeões entre o céu e o inferno

Palmeiras é favorito ao título; Fluminense, à queda

Hilton Mattos e Sílvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

30 de setembro de 2008 | 00h00

A reta final do Campeonato Brasileiro se aproxima e não há como fugir das estatísticas e projeções sobre o que cada time deve fazer até a última rodada a fim de dar alegria para os torcedores, apenas confortá-los ou livrá-los de grande decepção. No alto da tabela, o Palmeiras, quatro vezes campeão, passou a ter 42% de chances de levar o título, contra 31% do Grêmio.Cruzeiro (10%), Flamengo (7%), São Paulo (4%) e Botafogo (3%) vêm logo atrás na disputa. Os números são do matemático Tristão Garcia, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e especialista em análise de probabilidades em torneios esportivos. Se deixa no ar o favoritismo do Palmeiras para conquistar o quinto título nacional, Garcia demonstra que a situação do Flu, uma vez campeão nacional, vai de mal a pior. Na semana passada, tinha 69% de risco de cair para a Série B. Agora, a possibilidade aumentou para 72%.Na seqüência dos que estão cada vez mais perto da degola, surgem Ipatinga (64%), Vasco (62%) e Portuguesa (55%). O Santos, com 29%, é o sétimo dessa lista. A hipótese de pelo menos um do Rio ser rebaixado é de 92%. "Na turma de baixo, quem quiser ficar na Série A vai ter que mudar da água para o vinho", diz Garcia.No drama carioca, Renato Gaúcho pode ficar estigmatizado como o técnico que rebaixou os dois clubes. Comandante tricolor no primeiro turno, muitos atribuem a ele a queda de rendimento do time. No Vasco, mais do que nunca, terá o nome associado ao descenso, se a Série B for o destino em 2009. "O Renato disse que o Brasileiro era uma brincadeira. Isso levou os outros a correrem dobrado contra a gente", afirma Roberto Horcades, presidente do Fluminense. "Mas precisam entender que o Renato não está mais aqui. Podiam nos deixar em paz."A crise não pára. Ontem, o procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Paulo Schmitt, ofereceu denúncia contra o Fluminense por causa dos incidentes de domingo no Engenhão. Cerca de 350 cadeiras foram destruídas pelos tricolores. A pena vai de dois a dez jogos com a perda do mando de campo. No Vasco, Roberto Dinamite procura transmitir confiança a Renato, entendendo se tratar de um incentivador. Caso o Vasco caia, a mácula maior seria em cima dele, e não sobre o treinador. "Os torcedores rivais não torcem para o Vasco cair comigo. Sou uma figura do bem. Podiam torcer na outra diretoria. Só que o Vasco vai anular essa situação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.