Doping: atleta húngaro teve "bloqueio"

Um ?grave bloqueio psicológico? impediu que o atleta húngaro Robert Fazekas depositasse uma amostra suficiente de urina para o exame de doping, segundo informaram seus defensores no relatório apresentado ao Comitê Olímpico Internacional, nesta quarta-feira. Fazekas, que perdeu a medalha de ouro ganha no arremesso do disco, foi acusado de entregar aos responsáveis do controle um frasco de urina que trazia escondido em seu corpo, mas o Comitê Olímpico Húngaro explicou que o atleta não pôde depositar a amostra de urina necessária porque estava cansado."Às 3 da manhã, Robert estava muito cansado e deixou o local do exame", explicou um porta-voz do Comitê Olímpico Húngaro. De acordo com o artigo 2.3 das regras antidoping do COI, "negar-se ou não entregar sem justificativa uma amostra após ser convocado para isso constitui uma violação das normas antidoping".O regulamento antidoping estabelece que a dose mínima exigida é de 75 mililitros, e Fazekas só depositou 25. Seus defensores diante da Comissão Disciplinar do COI alegaram suas "profundas convicções religiosas" para explicar a incapacidade do atleta para depositar uma quantidade suficiente de urina diante de estranhos".Fazekas recebeu a notificação dos controladores às 22h15 da segunda-feira passada segundo o relatório do COI, e o atleta entrou no banheiro às 22h52 em companhia de dois oficiais encarregados do controle.À 01h15 o atleta declarou que não se sentia bem e que não faria nenhuma outra tentativa de depositar a amostra enquanto estivesse nesse estado psicológico.O relatório acrescenta que Fazekas rejeitou a proposta de ir à Policlínica da Vila Olímpica para receber um tratamento que lhe ajudasse a urinar.Os oficiais do COI consideraram concluída a operação às 2h41 após informar ao atleta húngaro sobre a punição que ele poderia receber.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.