Doping pode encerrar carreira de hexacampeão dos 100m

O velocista norueguês Aham Okeke, hexacampeão nacional nos 100 metros rasos, acusou a presença de testosterona em níveis excessivos em 7 de julho deste ano em um exame antidoping feito por surpresa em Gotemburgo (Suécia) e corre risco de ser suspenso para sempre de competições oficiais por ser reincidente. A Agência Antidoping norueguesa confirmou que o atleta admitiu ter se dopado com testosterona para acelerar sua recuperação após ter sofrido uma lesão que ameaçava impedir sua participação no Campeonato Europeu, cuja cerimônia de abertura ocorre no domingo em Gotemburgo. Okeke, de 36 anos, tinha dado positivo anteriormente em outros dois exames, e por isso pode ter encerrado sua carreira com o resultado do exame realizado na Suécia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.