John Sommers/Reuters
John Sommers/Reuters

Dor derruba Djokovic e Murray leva a taça

Sérvio joga a toalha quando perdia no 2º set por 3 a 0 em Cincinnati. Foi a segunda vitória [br]do britânico no ano

, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2011 | 00h00

CINCINNATI

O cansaço e a alta qualidade do tênis apresentado pelo rival, o britânico Andy Murray, derrubaram o número 1 do mundo na final do Masters de Cincinnati. Queixando-se de dores no ombro, o sérvio Novak Djokovic abandonou a partida após 1h10 de disputa, quando perdia o segundo set por 3/0, depois de já ter sido derrotado no primeiro por 6/4. Este foi o segundo título de Murray na temporada.

A derrota de ontem nem de longe macula a impressionante temporada de Djokovic, que em 59 jogos disputados só havia perdido uma única vez, para o suíço Roger Federer, na semifinal de Roland Garros.

Ao sofrer ontem sua segunda derrota, o sérvio não poderá mais alcançar o recorde estabelecido pelo americano John McEnroe, que em 1984 sofreu um só revés contra 59 vitórias.

Mas em Cincinnati, Djokovic, que fora campeão em nove dos 11 torneios que disputou em 2011, foi desde o início da partida apenas uma sombra do tenista que costuma ser. Murray, que nada tinha a ver com a má forma física apresentada pelo adversário, aproveitou bem todas as oportunidades para construir sua vantagem. Mais "inteiro"", o tenista escocês conseguiu duas quebras. Djokovic devolveu uma delas e ainda reagiu para empatar o set por 3 a 3, Porém, a partir daí não teve mais forças para evitar a derrota no primeiro set por 6 a 4.

Antes do início do segundo set, o sérvio pediu o auxílio do fisioterapeuta, que durante alguns minutos tentou diminuir a dormência que tomava conta do braço direito do tenista.

Mesmo ainda fisicamente incomodado, Djokovic voltou à quadra. Mas, com os movimentos prejudicados e sem concentração, não era páreo para Murray, que abriu novos 3 a 0 no segundo set. O sérvio, então, jogou a toalha.

"Talvez pudesse ter disputado uns dois games mais, porém, para quê?", Djokovic se perguntou já no vestiário. "Afinal, não é possível alguém vencer um tenista de qualidade como Murray com apenas uma jogada. Mas o bom da derrota de hoje (ontem) é que terei agora oito dias para me recuperar até o início do US Open. E acredito que até lá estarei plenamente recuperado do meu problema no ombro."

Com a vitória em Cincinnati, o britânico Murray voltou a mostrar força, depois de ser eliminado bisonhamente na estreia do Masters de Montreal, na semana passada, quando foi derrotado pelo sul-africano Kevin Anderson. Ontem recuperou-se e conquistou seu segundo título em Cincinnati, onde por coincidência já havia vencido o mesmo Djokovic na final de 2008.

Além disso, essa foi sua sétima conquista em Masters e seu segundo título no ano - vencera o torneio de Londres - e também um grande incentivo aos preparativos para a dura disputa em Flushing Meadows.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.