Divulgação
Divulgação

Duda Amorim mostra evolução no tratamento de contusão no joelho

Meia, que concorre a prêmio de melhor do ano, passará três meses no Brasil para trabalhar com a fisioterapeuta da seleção de handebol

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

24 de dezembro de 2014 | 14h58

Enquanto concorre ao prêmio de melhor armadora esquerda do ano, Duda Amorim chega ao Brasil nesta semana para dar sequência ao tratamento da lesão mais grave de sua carreira. A meia da seleção brasileira de handebol sofreu a ruptura total do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo no jogo contra a Tunísia, na estreia da equipe no Torneio Internacional da Espanha, no dia 28 de novembro.

A atleta tem mostrado evolução e conta que, de acordo com os médicos na Europa, o processo de reabilitação da cirurgia feita no dia 4 de dezembro está dentro do previsto. O tempo de recuperação esperado é de seis a oito meses. "Fico feliz porque a cada melhora é uma noticia boa, primeiro tira uma muleta, depois a outra e aos pouquinhos está indo tudo certo. É um pouco chato ficar em casa só descansando, mas é só por um período", diz.

Duda passará três meses no Brasil para trabalhar com a fisioterapeuta da seleção brasileira e depois desse período retornará à Hungria para fazer o restante do tratamento no seu clube, o Gyor. "Acredito que quando eu voltar já estarei correndo e podendo fazer tudo sozinha", projeta.

Apesar da dificuldade, ela reconhece que qualquer atleta de alto nível está sujeito a sofrer uma contusão mais séria. Ainda assim, torce para que seja a última vez na sua carreira. "Infelizmente essa é a minha hora, mas vou conseguir superar esse momento", garante.

Duda ainda não sabe se poderá defender as cores da seleção nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em julho de 2015. A possível ausência é vista com tranquilidade pela jogadora, que enfatiza: "O joelho é que vai mandar". "Se estiver tudo bem com o joelho, é um campeonato bom de jogar. Mas vai depender dele", reafirma. O foco é estar completamente recuperada para buscar o bicampeonato mundial na Dinamarca, em dezembro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.