Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Duelo com astros do surfe não assusta Gabriel Medina

Garoto de Maresias demonstra tranquilidade antes da disputa decisiva com Mick Fanning e Kelly Slater em Pipeline, no Havaí

Paulo Favero - Enviado especial ao Havaí, O Estado de S. Paulo

12 de dezembro de 2014 | 08h31

A hora da decisão se aproxima e o brasileiro Gabriel Medina parece não tremer diante de dois rivais que juntos somam 14 títulos mundiais, Mick Fanning, com três, e Kelly Slater, com 11. Apesar de ser o mais jovem entre os três que disputam o troféu no Billabong Pipe Masters, o garoto de Maresias demonstra tranquilidade antes do início da última etapa, em Pipeline, no Havaí. "Tenho de encarar", avisa.

Nesta quinta-feira a organização decidiu adiar mais uma vez o Billabong Pipe Masters porque o mar não estava em boas condições. Enquanto isso, a ansiedade toma conta dos três. "Acho que não são apenas os surfistas, mas todos no Brasil, Austrália e Estados Unidos estão animados para ver essa disputa. Não vejo a hora de surfar", afirma Medina.

O brasileiro pode se tornar o primeiro surfista do País a ser campeão do mundo profissional e vê com bons olhos o desafio. "Eu confio em mim. Sei que é apenas meu terceiro ano no Circuito Mundial, não sei se tenho experiência ou não, mas estou confiante. Com certeza eles têm mais experiência do que eu nessa onda, mas temos as mesmas chances. Como minha mãe fala, não tem ninguém maior do que Deus."

Fanning é quem tem mais chances de estragar a festa, pois na pontuação está mais próximo do brasileiro. Os dois têm boa relação e estão levando a rivalidade na esportiva. "É divertido. Somos amigos, é diferente de quando um quer matar o outro", revela o australiano, considerado um ídolo para Medina.

Agora os atletas estão tendo de lidar com a expectativa de entrar na água. Hoje será feito um novo chamado às 7h30 (15h30 horário de Brasília) e as chances de ter disputa são grandes. Medina se mostra ansioso para definir a temporada. "Esse ano tem sido ótimo para mim. Estou aqui no Havaí no lugar onde queria estar, e um dos três vai vencer. Esses caras têm muita experiência aqui e esse é apenas meu terceiro ano no Pipe Masters, mas estou animado. O que tiver de ser, vai ser."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.