Duelo é revanche também para EUA

A seleção dos Estados Unidos é a detentora da medalha olímpica de ouro no futebol feminino - conquistada justamente derrotando o Brasil, por 2 a 1, nos Jogos de Atenas, em 2004. Mas as brasileiras deram o troco, no ano passado, goleando o time americano por 4 a 0 na Copa do Mundo, disputada também na China. Naquele dia, Marta fez uma das maiores exibições de sua carreira.As norte-americanas não esqueceram, e planejam dar o troco hoje, relegando ao Brasil a medalha de prata. "Nossa equipe é um pouco diferente hoje, mas algumas de nós participaram daquela partida e não gostamos do que aconteceu. Agora, temos uma grande chance de obter a revanche"'', avisou a zagueira e capitã norte-americana, Christie Rampone.O Brasil merece respeito. Mas a confiança das americanas é grande. Nos sorrisos e em suas expressões, elas demonstram que têm certeza do ouro e apontam vários motivos. Um deles é considerado o principal: o crescimento da equipe ao longo da Olimpíada, que estreou perdendo para a Noruega por 2 a 0. "Mesmo depois daquele primeiro jogo, nós nunca duvidamos de que poderíamos chegar à final e ganhar a medalha de ouro", assegura a meio-campista Shannon Boxx. "Nos propusemos a pensar um jogo de cada vez, ir crescendo e fizemos exatamente isso." Shannon acredita em uma das finais mais emocionantes da história olímpica do futebol feminino, por causa da boa fase do time brasileiro. "O Brasil é um grande rival, mas nós estamos muito bem."'' Para a sueca Pia Sundhage, técnica dos Estados Unidos, a evolução de sua equipe foi impulsionada pela forte personalidade das atletas que comanda e esse será um fator preponderante na decisão de hoje. "Elas têm personalidades marcantes, é por isso que estamos vencendo", afirma.A segurança das americanas é tanta que elas dizem não ver nenhum fator que possa favorecer o time brasileiro hoje. A atacante Heatther O?Reilly até tentou buscar alguma vantagem nas sul-americanas. "O Brasil jogou antes da gente (as partidas de semifinal foram no mesmo dia, mas em horários diferentes) e teve mais tempo de descanso", arriscou. Para completar, em seguida: "Mas nossa equipe, jogadora por jogadora, é forte. Estamos motivadas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.