Dunga culpa Portugal por falta de gol

O empate sem gols com Portugal, num duelo de pouca inspiração ofensiva do Brasil, não aborreceu Dunga. O máximo de reprovação que conseguiu expressar após a partida se resumiu a dizer que não estava feliz porque o time não havia vencido. "Não estamos felizes porque não ganhamos. E nós jogamos para ganhar até o fim. Todos viram. Mas a equipe adversária não queria atacar e jogou no nosso erro."

Robson Morelli, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2010 | 00h00

Em nenhum momento o técnico da seleção assumiu que seus treinos fechados não tiveram efeito em campo até agora. O Brasil não mostrou nenhuma jogada ensaiada e até nas bolas paradas deixa a desejar. Daniel Alves, por exemplo, errou quase todas as bolas que eram para ser levantadas na área, até então a principal jogada do time na Copa.

Dunga preferiu condenar Portugal por sua postura defensiva. "Eles ficaram com uns nove (jogadores) atrás da linha do meio de campo. O jogo foi duro, com muitas faltas. Mesmo assim, tivemos duas ou três chances de fazer gols", destacou o treinador.

Ele chegou a assumir que gostaria de ter visto a seleção usar mais as laterais, com Maicon e Michel Bastos. O treinador ameaçou reprovar a atitude de seus comandados, que insistiram nas jogadas pelo meio. Mas preferiu falar do lado positivo. "É característica do Brasil ficar com a bola. Fizemos isso para cansar o adversário", explicou.

As ausências de Kaká e Elano não foram usadas como justificativa para a falta de criatividade brasileira. "Se eles estivessem em campo, também sentiriam dificuldade de jogar com a formação de Portugal. O Robinho, que sentiu dores musculares e por isso foi poupado, talvez fosse a nossa melhor opção devido a seus dribles", analisou. O atacante do Santos ficou no banco, mas nem foi para o aquecimento com o restante dos reservas.

Hermanos. Sua única resposta mais atravessada foi direcionada a um jornalista argentino, interessado em saber se Dunga se preocupava com a equipe de Maradona, que terminou a primeira fase com 100% de aproveitamento. "Estamos pensando nos adversários que temos pela frente. E não é a Argentina. Se o Brasil tem de se preocupar com os argentinos, eles também devem se preocupar com a gente. Eles devem se lembrar do resultado nas Eliminatórias - O Brasil venceu por 3 a 1, em Rosário."

O treinador estava paciente e não perdeu as estribeiras nem quando foi perguntado se havia tirado Felipe Melo, ainda no primeiro tempo, para evitar que ele fosse expulso (tinha dado duas pancadas em Pepe e já estava com um amarelo). Manteve a compostura e sorriu ironicamente antes de responder. "O Felipe teve uma torção no tornozelo (esquerdo) e era mais prudente da minha parte tirá-lo para não agravar sua situação", afirmou.

Carlos Queiroz, técnico de Portugal, pediu à imprensa brasileira que perguntasse para Dunga sobre as faltas duras e desleais na partida. Dunga, então, rebateu: "é só ver quem levou mais amarelos." O Brasil levou três. Portugal, quatro. Mas os brasileiros cometeram mais faltas: 18 contra 11 da equipe de Cristiano Ronaldo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.