Dunga elogia Holanda e fala em mudanças

Técnico diz que europeus têm boa técnica e sabem tocar a bola, e promete estudar melhor formação para as quartas de final

Wilson Baldini Jr., O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL

JOHANNESBURGO

A escalação da seleção brasileira vai sofrer alterações para o jogo de sexta-feira, em Port Elizabeth, diante da Holanda, pelas quartas de final da Copa do Mundo da África do Sul. Além do volante Ramires, suspenso por ter recebido o segundo cartão amarelo, o técnico Dunga pretende montar um esquema diferente do apresentado contra o Chile. "Hoje (ontem) escalei Ramires e Dani Alves, pois o Chile é uma equipe rápida e baixa. Contra a Holanda, teremos de pensar bastante na concentração."

Dunga enumerou elogios ao próximo adversário no Mundial. "Trata-se de uma equipe sólida. Dos times europeus é o que mais se parece com os sul-americanos. Tem muita técnica. Não é só marcação e bola alta no ataque. São jogadores que sabem tocar a bola." Como jogador, Dunga enfrentou duas vezes a Holanda e não perdeu. Em 1994, venceu por 3 a 2 nas quartas de final. Quatro anos depois, eliminou os holandeses na semifinal, na disputa de pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo regulamentar.

Sobre o desempenho do time ontem à noite, Dunga, ao contrário de muitos críticos, achou que a equipe proporcionou uma "partida bonita". "Tivemos equilíbrio, dedicação, postura, comprometimento e aproveitamos as oportunidades", analisou.

E elogiou os chilenos. "Sabem virar rapidamente o jogo e são perigosos no ataque."

Sobre a diferença de seu comportamento em relação a Marcelo Bielsa, técnico do Chile, durante a partida, Dunga creditou à "qualidade técnica" de seu elenco. "Este grupo está junto há dois anos. Basta um olhar para que eles entendam o que eu quero na partida", disse o técnico.

Calmo e sereno, Dunga só reclamou da arbitragem, por causa do cartão amarelo dado a Kaká, o que deixa o meia brasileiro pendurado. "Jogador técnico é punido, enquanto jogador que bate o tempo inteiro é agraciado." O treinador da seleção afirmou que seu camisa 10 já sabe do perigo de levar mais uma punição e poder desfalcar o Brasil em uma possível semifinal.

Dunga também se mostrou preocupado com a recuperação física dos jogadores. "Tivemos três dias entre o jogo com Portugal e o de hoje (ontem). Agora é hora de chegar no hotel e colocar as pernas para cima. Vamos diminuir a carga de treinamento neste momento decisivo", disse. "Jogador brasileiro gosta de sempre estar jogando, mas é o momento de guardar toda a energia para a hora do jogo."

Ele também se mostrou incomodado com o fato de a seleção ter de fazer duas viagens e só retornar a Johannesburgo caso vá à final. "Estamos acomodados em um hotel com toda a estrutura formada. Agora, teremos de nos adaptar." Depois do jogo em Port Elizabeth, em caso de classificação para a semifinal, o Brasil vai jogar na Cidade do Cabo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.